Fique por dentro dos principais FATOS e TENDÊNCIAS que movimentam o setor

Farmácia de manipulação não pode nomear fórmulas em rótulos

Acompanhe as principais notícias do dia no nosso canal do Whatsapp

Farmácia de manipulação
Foto:Canva

 

A Bioarte Farmácia de Manipulação, de Piracicaba (SP), teve mandado de segurança negado pela justiça de SP contra a proibição de nomear as fórmulas nos rótulos de seus produtos manipulados.

A decisão foi da 3ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo, que confirmou a sentença da 2ª Vara da Fazenda Pública de Piracicaba, proferida pelo juiz Maurício Habice.

A farmácia alegou violação de direito líquido e certo de atribuir nome aos medicamentos para facilitar a identificação pelos clientes, pleiteando que os órgãos fiscalizadores se abstivessem de efetuar qualquer tipo de sanção. No entanto, o relator do recurso, desembargador Kleber Leyser de Aquino, reiterou que a conduta vai contra resolução editada pela Anvisa, que detém a competência normativa para regular a atividade.

“A apelante, em razão de ser empresa cujo objeto social é a exploração do ramo de ‘farmácia de manipulação e homeopatia’, está submetida às normas estabelecidas pela Anvisa, o que implica em dizer que lhe é vedada a pretendida a exposição de produtos manipulados, com objetivo de propaganda, publicidade ou promoção ou a atribuição de nomes de fórmula ou de nomes fantasia a eles”, ressaltou o magistrado.

Farmácia de manipulação não pode atuar como indústria

Ainda de acordo com o relator, tal vedação tem como objetivo impedir que farmácias de manipulação desvirtuem sua função e atuem, ainda que parcialmente, como indústrias farmacêuticas – estas dotadas de regulamentação, fiscalização e ambiente próprios, necessários à proteção dos consumidores.

“Em outras palavras, a atribuição de nomes de fórmulas ou de nomes de fantasia aos frascos de manipulados evidentemente acabaria viabilizando a criação e a comercialização de um produto não regularizado no órgão sanitário competente, por empresa não licenciada nem autorizada para essa atividade.”

O julgamento teve participação dos desembargadores José Luiz Gavião de Almeida e Marrey Uint. A decisão foi unânime.

Notícias mais lidas

Notícias Relacionadas

plugins premium WordPress