fbpx
O maior canal de informação do setor

Grande ABC sofre com falta de medicamentos

Hospitais e farmácias do Grande ABC buscam alternativas para garantir o atendimento de pacientes em cenário de falta de medicamentos. Entre os itens indisponíveis ou com baixo estoque nas prateleiras de unidades públicas e privadas em todo o Estado estão remédios básicos, como analgésicos e antibióticos, e utilizados no tratamento de doenças graves, como leucemia, Alzheimer e Parkinson.

A lista de medicamentos dispensados pelos governos federal e estadual possui 300 itens, 134 deles comprados e distribuídos pela União. A Secretaria de Saúde do Estado afirma que, no primeiro trimestre do ano, houve atraso e envio parcial de 29 remédios, sendo 22 de responsabilidade do Ministério da Saúde –

O atraso e a falha na distribuição afetam hospitais públicos de São Bernardo. Entre os itens faltantes estão medicamentos para o tratamento de Alzheimer (donepezila, galantamina e rivastigmina); doença de Parkinson (entacapone e rasagilina), leucemias e prevenção a rejeição de transplantes (rituximabe); tratamento de doenças autoimunes (infliximabe); e tratamento de artrite inflamatória (golimumabe). Alguns dos remédios citados não aparecem na lista enviada pela Secretaria de Saúde do Estado.

A Prefeitura garante que, na falta de um dos itens, operações de remanejamento entre as unidades são realizadas para atender à demanda, o que, segundo nota enviada pelo Paço, ‘não impede o desabastecimento caso o Ministério não cumpra com o envio’.

São Caetano também informa sentir o impacto das falhas de envio pelo Ministério da Saúde e governo do Estado. A Prefeitura afirma que estão em falta metildopa, tipo de anti-hipertensivo – estoque para, aproximadamente, dois meses, e os antibióticos amoxicilina e cefalexina – quantidade disponível atende à demanda da cidade por apenas 20 dias. Nenhum dos itens aparece na listagem estadual.

DIFICULDADES LOCAIS

As prefeituras da região também têm listagem de remédios que precisam adquirir e que estão em falta no mercado. Em Mauá, gestores da saúde admitem a possibilidade da falta de alguns medicamentos injetáveis e que dependem de embalagens ou ampolas de vidro âmbar, tipo de material utilizado pela indústria farmacêutica.

Diadema afirma ter ‘limitação momentânea’ para a compra de anti-inflamatórios, analgésicos e solução parenteral, tipo de nutrição administrada por via intravenosa, sem especificar quais são as medicações. Em caso de falta de algum dos itens, a Prefeitura realiza a substituição por outro medicamento da mesma classe terapêutica disponível na Remume (Relação Municipal de Medicamentos).

A Prefeitura de Ribeirão Pires relata dificuldade para a aquisição de itens como dipirona injetável e antialérgicos (dexclorfeniramina e maleato), sem informar se adota medidas para não prejudicar o atendimento dos pacientes.

Santo André afirma ter, em média, 90% dos estoques abastecidos, com a distribuição regular dos medicamentos às unidades dispensadoras. Rio Grande da Serra não se manifestou sobre o assunto.

A Secretaria de Saúde estadual informou, em nota, que realiza processo de compra dos medicamentos em falta pelo Estado e aguarda a regularização dos itens enviados pelo Ministério da Saúde, ressaltando que ‘apenas redistribui os medicamentos e comunica os pacientes assim que o órgão federal realiza as entregas e as farmácias são abastecidas.

Em resposta aos questionamentos do Diário, o Ministério da Saúde declarou que ‘trabalha, sem medir esforços, juntamente com a Anvisa () para verificar as causas e articular ações emergenciais para mitigar o desabastecimento dos medicamentos citados’.

Lockdown na China, guerra e teto da União são justificativas

Hospitais e farmácias particulares também sofrem com a falta de medicamentos no mercado. O Diário ouviu especialistas da saúde e entidades do setor para identificar possíveis razões para o cenário atual e medidas para solucionar ou reduzir o problema.

O presidente do CRF-SP (Conselho Regional de Farmácia do Estado), Marcelo Polacow, aponta a guerra na Ucrânia – e os impactos na relação entre Rússia e países da União Européia -, e o na China como principais fatores externos para o desabastecimento do mercado nacional. ‘Acredito que a situação vai se agravar nos próximos meses e as indústrias farmacêuticas serão impactadas. A China fornece, além de insumos, materiais de embalagens, máquinas que produzem medicamentos e peças de reposição’, apontou.

Internamente, o controle da política de preços de medicamentos pela CMDE (Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos), do governo federal, a falta de apoio a laboratórios farmacêuticos públicos, a exemplo da Furp (Fundação Para o Remédio Popular de São Paulo) e a falta de diálogo com o setor industrial agravam a crise.

‘Essa é uma situação inadmissível. As pessoas precisam dos medicamentos, especialmente em um cenário de desemprego, de inflação. A falta dos remédios pode provocar o agravamento de doenças. A sociedade precisa pressionar e os governantes precisam atuar politicamente para reverter a situação, facilitando a entrada de insumos e investindo em ciência e tecnologia para o País ser menos dependente do mercado externo’, avaliou a professora de saúde coletiva da FMABC (Centro Universitário Faculdade de Medicina do ABC) Vânia Barbosa Nascimento.

O SindHosp (Sindicato dos Hospitais, Clínicas e Laboratórios do Estado) afirma que 55% dos hospitais particulares indicam a falta ou dificuldade de compra de medicamentos somado à alta de preços como principais problemas enfrentados pelas unidades de saúde. Os dados foram levantados em pesquisa aplicada, entre 19 de abril e 12 de maio, com 76 hospitais do Estado.

Já o Sindusfarma (Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos) informa que o setor não reconhece problemas na produção ou distribuição de antibióticos para farmácias, argumentando que houve aumento da demanda, mas que há adequação das indústrias e que ‘a oferta é regular’.

Sobre o desabastecimento de itens em hospitais, o Sindusfarma afirma que há relatos de ‘problemas pontuais’ de fornecimento de alguns medicamentos ‘devido a instabilidades pontuais no suprimento de embalagens e de insumos farmacêuticos ativos importados usados em sua composição’.

A entidade argumenta que a política de controle de preços pelo governo federal ‘que vigora há 19 anos, ultrapassado e desconectado da realidade’ impede o ajuste necessário à continuação da produção de produtos essenciais por parte da indústria farmacêutica

Fonte: Diário do Grande ABC ONLINE

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/queiroga-falta-de-medicamentos/

Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente O Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!
Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

viagra online buy viagra