Fique por dentro dos principais FATOS e TENDÊNCIAS que movimentam o setor

MIPs em supermercados têm nova ofensiva no Congresso

Acompanhe as principais notícias do dia no nosso canal do Whatsapp

MIPs em supermercados têm nova ofensiva no Congresso

Os MIPs em supermercados ganham uma nova ofensiva no Congresso Nacional, agora com dois projetos de lei. A tentativa de transformar remédios em mercadoria continua firme.

O PL 1774/19, de autoria do parlamentar Glaustin da Fokus (PSC-GO), aguarda designação de relator na Comissão de Saúde da Câmara dos Deputados. A proposta permite a comercialização dessa classe de medicamentos não apenas em supermercados, como também em estabelecimentos similares.

Até quitandas estariam habilitadas para a venda, sem nenhuma previsão de uma farmácia dentro do estabelecimento ou da presença obrigatória de um farmacêutico para assistência ao consumidor. Em duas ocasiões no ano passado, a Câmara analisou o regime de urgência para avaliar o projeto ainda em 2022. Mas mesmo sob intensa pressão do setor supermercadista, a tentativa fracassou e o pedido não recebeu o apoio necessário.

E o movimento pelos MIPs em supermercados estendeu-se agora para o Senado Federal. Efraim Filho (União Brasil-PB) apresentou o PL 2158/2023 para autorizar a dispensação dos MIPs nesses estabelecimentos, com a prerrogativa da presença de um farmacêutico. A matéria está em tramitação na Comissão de Assuntos Sociais, cujo presidente, o senador Humberto Costa (PT-PE) avocou a relatoria da proposta.

MIPs em supermercados geram nova reação do canal farma

A tentativa de emplacar MIPs em supermercados ligou novamente o sinal de alerta no varejo farmacêutico. A Abrafarma, inclusive, manifestará sua posição contrária em evento a ser promovido em Brasília (DF) na próxima terça-feira, dia 30. A entidade divulgará na oportunidade uma agenda de propostas para o setor em 2023, com a meta de fortalecer o papel das farmácias como polos de saúde e atenção primária.

“A possibilidade desses estabelecimentos venderem medicamentos sem a devida assistência farmacêutica e com regras distintas das exigidas em farmácias impacta diretamente nas relações de consumo e na defesa da segurança sanitária. Será um incentivo ao aumento da automedicação. MIPs não são isentos de risco e devem ser dispensados apenas no ambiente farmacêutico”, aponta Sergio Mena Barreto, CEO da associação, que representa as 30 principais redes de farmácias do país.

Para o dirigente, a presença de MIPs em mais de 90 mil farmácias de todo o território nacional esvazia o argumento relacionado à ampliação do acesso. “E mesmo fora das gôndolas, a venda desses medicamentos conta com o apoio de um profissional farmacêutico em 77% das ocasiões. A saúde dos brasileiros não pode ser cuidada pela vendinha da esquina”, acrescenta.

No início do ano, o Conselho Federal de Farmácia (CFF) também iniciou articulações para endossar posição contra os MIPs em supermercados e também viabilizar uma nova lei para preservar o conceito de farmácia como estabelecimento de saúde. Seria um adendo à Lei 13.021/2014.

Esforço dos supermercados não vinga desde 2009

O debate sobre os MIPs em supermercados poderia ter acabado em 2004, quando o Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu pela proibição definitiva da venda de medicamentos em outros estabelecimentos. Mesmo assim, o Congresso Nacional vem mantendo viva a discussão sobre o assunto ao longo desses anos, atendendo a interesses particulares de um único setor em detrimento do compromisso com a saúde. O lobby econômico não parou desde então, mas sem obter sucesso até hoje.

  • Em 2009, o deputado Sandro Mabel tentou autorizar novamente a liberação por meio da MP 549/11. Apesar de aprovada como “contrabando” na Câmara dos Deputados, foi vetada em 2012 por Dilma Rousseff
  • Em fevereiro de 2018, o projeto de lei de Ronaldo Martins (PRB-CE) foi encaminhado para a Comissão de Seguridade Social. No entanto, saiu da pauta pelo fato de o parlamentar não ter sido reeleito. O então presidente Michel Temer sinalizou apoio à iniciativa depois de analisar um pedido da Associação Brasileira de Supermercados (Abras) para agilizar a votação
  • Em junho de 2019, foi a vez de o senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ) sugerir a alteração da lei, após encontro com executivos da entidade supermercadista
  • A Câmara Municipal de São Paulo ensaiou um movimento similar em 2020, mas no fim aprovou um projeto do vereador Gilberto Natalini (PV-SP) para vetar os remédios isentos de prescrição não apenas em supermercados, como também em bares, lanchonetes, hotéis e restaurantes
  • Em junho de 2021, foi a vez de o governo federal estudar a possibilidade de lançar uma MP. O ministro da Economia Paulo Guedes chegou a defender publicamente a venda nesses estabelecimentos justamente no maior fórum do setor supermercadista

Notícias Relacionadas

plugins premium WordPress
error: O conteúdo está protegido !!