O maior canal de informação do setor

Momento é ‘perigoso’, diz diretor do BC sobre pressão de serviços na inflação

190

O diretor de Política Monetária do BC (Banco Central), Bruno Serra Fernandes, disse nesta 2ª feira (12.jul.2021) que o atual momento é o mais ‘crítico’ e ‘perigoso’ para saber como será a pressão dos serviços na inflação. O IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) no acumulado de 12 meses até junho chegou a 8,25%.

O Banco Central espera uma desaceleração da taxa até o fim de 2021, para 5,8%. Segundo Serra, o Copom (Comitê de Política Monetária) está num momento ‘difícil’ para avaliar como será a pressão da retomada da economia na inflação. Ele falou em live do banco Santander. Assumiu interinamente a presidência da autoridade monetária, durante o período de férias de Roberto Campos Neto.

Receba a newsletter do Poder360

Assista a participação do diretor:

O presidente interino disse que, durante o período da pandemia de covid-19, as pessoas passaram a consumir mais bens e produtos e substituindo os gastos com serviços. O motivo: o isolamento social mudou a cesta de consumo das famílias, que diminuíram o acesso aos serviços, como cabeleireiro, por exemplo.

Os auxílios do governo para recompor a renda da população -como o coronaoucher- permitiu com que houvesse o consumo de produtos. Serra afirmou que o movimento pressionou a inflação de bens, como alimentação.

O diretor disse, porém, que a redução de preços do serviços no país pode ter sido limitada pela própria rigidez do mercado de trabalho brasileiro com a diminuição salarial. Falou que, daqui para frente, é incerta a dinâmica de reabertura da economia e pressão na inflação.

‘Eu diria que é um momento perigoso, porque a gente corre o risco de ter, em alguns meses, o setor de serviços abrindo, e assim tem uma pressão e uma recomposição de preços, e difícil precisar em que medida. Pode ser que os preços tivessem que ter caído mais [durante a pandemia], dado o hiato do mercado de trabalho e o hiato do setor de serviços em particular, e tenha dificuldades de subir. Ou pode ser que não, pode ser que tenha uma recomposição de preços mais robusta. É difícil precisar’, afirmou o diretor.

O Copom subiu a Selic para 4,25% ao ano na última reunião. Sinalizou que elevará para 5% no próximo encontro, em 3 e 4 de agosto. O mercado financeiro estima os juros base em 6,63% em 2021 e 7% em 2022.

‘Esse é o momento talvez mais crítico para a gente saber como a economia vai funcionar no pós economia’, afirmou. ‘É um momento particularmente difícil para ter essa precisão de como será o consumo de serviços’, enfatizou.

Já a inflação de bens também pode demorar mais para cair por conta das pressões recentes, como as commodities.

Bruno Serra Fernandes ponderou que a renda disponível para as famílias não ‘dará saltos’, o que limita o consumo. ‘Então se você vai direcionar mais renda para o setor de serviços, a não ser que você consuma essa poupança acumulada [na pandemia] muito rápido, o que não parece a hipótese central, provavelmente vai reduzir a demanda no consumo de bens’, declarou.

Fonte: Poder 360

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação