O maior canal de informação do setor

Novartis estuda retenção ou separação da Sandoz

888

Novartis estuda retenção ou separação da Sandoz

A Novartis levantou a perspectiva de desinvestir sua unidade de medicamentos genéricos Sandoz depois de anos reformulando o negócio. Segundo reportagem da Reuters, o motivo seria o aumento das pressões sobre os preços no setor de medicamentos sem patente.

Em comunicado enviado ao mercado, juntamente com os resultados trimestrais, a companhia afirmou que vai atualizar a revisão estratégica da Sandoz até o final de 2022.

A Sandoz alcançou vendas de US$ 9,7 bilhões no ano passado, cerca de 20% do total do grupo, mas a Novartis alertou na terça-feira (26) que espera que a receita operacional da unidade caia mais rápido do que o esperado anteriormente neste ano.

A Novartis começou a abrir o negócio de genéricos como uma unidade independente e cortar custos no início de 2019, logo após vender a maioria das operações da Sandoz nos Estados Unidos. As pressões competitivas sobre os preços, que há muito são um fardo, aumentaram no terceiro trimestre, sendo o mercado dos Estados Unidos um desafio particular.

A empresa não informou se rivais ou investidores financeiros podem comprá-la, ou se a Sandoz pode ter suas ações negociadas na bolsa de valores.

“Dado o obstáculo contínuo ao crescimento da Novartis por parte da Sandoz, o anúncio de uma revisão estratégica provavelmente será bem recebido”, disseram analistas do JP Morgan em nota de pesquisa.

A indústria de medicamentos genéricos está em consolidação há anos. A tendência culminou na criação da Viatris, partir da fusão no ano passado da Mylan e da unidade Upjohn da Pfizer , que espera até US$ 17,9 bilhões em receitas em 2021.

As israelenses Teva e Sandoz, com cerca de US$ 10 bilhões em vendas anuais de medicamentos genéricos cada uma, são as segundas no setor. Outros players incluem a Perrigo, Sun Pharma e Aurobindo.

A Novartis reiterou que a Sandoz precisará investir no lançamento de uma série de medicamentos “biossimilares”, que são versões mais baratas de medicamentos complexos da biotecnologia que perderam a proteção de patente.

O lucro operacional do grupo no terceiro trimestre, ajustado para itens especiais, aumentou 10% para US$ 4,47 bilhões, impulsionado pelas vendas melhores do que o esperado do medicamento para artrite e psoríase Cosentyx e tratamento para insuficiência cardíaca Entresto.

Fonte: Redação Panorama Farmacêutico


Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente
Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/nova-lei-de-licitacoes-traz-mais-insercao-de-venda-a-varejistas/

 

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação