O maior canal de informação do setor

PF abre inquérito para apurar ameaças a diretores da Anvisa

108

A Polícia Federal abriu inquérito para apurar as ameaças de morte enviadas aos diretores da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em razão de eventual aprovação das vacinas contra a Covid-19 para crianças. A investigação foi instaurada pela unidade da corporação no Distrito Federal.

A apuração se debruça não só sobre as primeiras ameaças feitas aos diretores, no último dia 28, mas também sobre aquelas relatadas pela Anvisa nesta quarta-feira (3). Na primeira ocasião, um homem do Paraná foi identificado como autor do e-mail que ameaçava os diretores da agência.

Na primeira ameaça enviada aos diretores da Anvisa, o campo de assunto da mensagem registrou: ‘Homeschooling x ‘Vacinas’ para infantes – notificação de estabelecimento’. O texto também foi enviado a endereços gerais de diretorias da agência e a instituições escolares do Paraná

O autor do e-mail dizia que caso houvesse aprovação da Anvisa para vacinação de crianças contra a Covid-19, retiraria seu filho da escola. A mensagem trazia a afirmação mentirosa de que os imunizantes seriam experimentais e registrava: ‘Deixando bem claro para os responsáveis, de cima para baixo: quem ameaçar contra a segurança física do meu filho será morto.’

Anvisa encaminhou o nome e o CPF do autor da mensagem ao Ministério Público Federal; à Promotoria do Paraná; às secretarias de Segurança do Estado e do Distrito Federal; aos ministérios da Justiça, da Saúde e da Casa Civil; ao Supremo Tribunal Federal; e às presidências do Senado, da Câmara e da República.

Na última quarta (3) o órgão informou que recebeu no último dia 29 um segundo e-mail, desta vez anônimo, com ameaças a servidores, diretores, funcionários terceirizados e seus familiares.

Fonte: Cruzeiro do Sul

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/flexibilizacao-permite-abracos-e-apertos-de-mao-depende/

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação