O maior canal de informação do setor

Queiroga diz que há ‘excesso de vacina’ no Brasil

159

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, comemorou a logística de distribuição de imunizantes contra a covid-19 feita pelo governo federal e afirmou nesta 4ª feira (15.set.2021) que há ‘excesso de vacina’ no país.

Estados e municípios vêm relatando a falta de doses da AstraZeneca para completar o esquema vacinal da população. Na 2ª feira (13.set), a cidade de São Paulo começou a aplicar a vacina da Pfizer em quem tem a 2ª dose da AstraZeneca atrasada.

Queiroga, no entanto, nega que exista falta de vacinas e problema de distribuição. ‘Há excesso de vacina na realidade, o Brasil já distribuiu 260 milhões de doses, 210 milhões já aplicadas’, afirmou nesta 4ª feira (15.set.2021) no Aeroporto Internacional de Guarulhos.

Ele esteve no local na manhã desta 4ª para evento que marca o envio de lotes de vacinas aos Estados suficientes para vacinar 100% da população adulta com a 1ª dose, segundo o governo.

Assista (21min55s)

‘Precisa acabar com essas narrativas de falta de vacina. Isso não é procedente, o Brasil vai muito bem. O Brasil já é dos países que mais vacinam no mundo’, acrescentou.

Na 6ª feira (10.set), quase 100% dos postos de vacinação da capital paulista registraram falta da AstraZeneca para aplicação de segundas doses.

Em outras ocasiões, Queiroga já disse que a falta de doses da vacina em alguns Estados ocorre devido ao descumprimento dos protocolos nacionais estabelecidos no PNI (Programa Nacional de Imunizações) e chamou os gestores estaduais de ‘reclamadores crônicos’.

Apesar de negar a existência de um problema de entrega, o ministro afirmou nesta 4ª feira (15.set) que se houver ‘eventual carência’ da AstraZeneca para a 2ª aplicação, os Estados podem utilizar a Pfizer, medida que já vem sendo adotada em alguns municípios, como é o caso da capital paulista.

No entanto, Queiroga criticou na 2ª feira o uso da intercambialidade (vacinas diferentes) por falta da vacina em um curto período de tempo. ‘Se porventura a AstraZeneca, por contas operacionais, faltar eventualmente, se usa a intercambialidade. Mas o critério não pode ser faltou um dia já troca senão a gente não consegue avançar’, afirmou.

Em Guarulhos, ele ainda falou que eventualmente ‘pode haver algum retardo’ na entrega de AstraZeneca. ‘Nós obedecemos à regulação, não damos carteirada na Anvisa. As vacinas com o IFA nacional ainda precisam da validação da Anvisa. Mas, enquanto isso, as vacinas são produzidas na Fiocruz com o IFA originário da China. Em algum momento, pode haver algum retardo. Mas com a Pfizer, ainda vamos receber 150 milhões de doses até o fim do ano’, disse.

Na 3ª feira (14.set), a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) realizou a 1ª entrega de lotes da AstraZeneca depois de ficar duas semanas sem produzir o imunizante devido à escasses de IFA (Ingrediente Farmacêutico Ativo), insumo importado da China.

Fonte: Poder 360

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/empresa-pode-demitir-quem-recusar-vacina-afirma-tst/

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação