O maior canal de informação do setor

Suspensa no Brasil, vacina Covaxin é aprovada pela OMS para uso emergencial contra a Covid19

85

A Organização Mundial da Saúde (OMS) autorizou, nesta quarta-feira, 3, o uso emergencial da vacina indiana Covaxin, desenvolvida pela empresa Bharat Biotech, contra a Covid-19. O imunizante não é utilizado no Brasil por suspeitas de irregularidade no contrato.

Veja também: Vacina em spray contra Covid, feita na USP, pode ser liberada em 2023

Ao analisar os dados de estudos da Covaxin, o Grupo Técnico Consultivo da OMS, composto por especialistas em regulamentação de todo o mundo, entendeu que a vacina atende aos padrões da entidade para a proteção contra a infecção do novo coronavírus. E também tem ‘benefícios que superam em muito os riscos e pode ser usada’.

Siga nosso Instagram

‘A Covaxin demonstrou ter eficácia de 78% contra Covid-19 de qualquer gravidade, 14 ou mais dias após a segunda dose, e é extremamente adequada para países de baixa e média renda devido aos requisitos de fácil armazenamento’, informou a OMS.

A Covaxin foi aprovada para a aplicação em pessoas com 18 anos ou mais. O imunizante não é recomendado para grávidas. A vacina baseada em vírus inativados deve ser administrada em duas doses, com intervalo de quatro semanas.

Comercialização no Brasil

O governo brasileiro pretendia comprar 20 milhões de doses da Covaxin por R$ 1,6 bilhão. O valor de cada dose era de US$ 15, mais alto do que o preço de todas as vacinas contratadas pelo Brasil até o momento.

Suspeitas de irregularidades no contrato do Ministério da Saúde com a representante da vacina indiana levaram a pasta a suspender o acordo para a aquisição do imunizante. A negociação entre a Precisa Medicamentos e a pasta foi, inclusive, um dos alvos da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 no Senado Federal. A Precisa está na lista de pedidos de indiciamentos da comissão.

Em julho, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) encerrou o processo sobre o pedido de uso emergencial da vacina.

Fonte: A Tarde

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação