Fique por dentro dos principais FATOS e TENDÊNCIAS que movimentam o setor

União Química quer estar entre as top dez de genéricos

Acompanhe as principais notícias do dia no nosso canal do Whatsapp

União Química

 

A União Química quer crescer em medicamentos inovadores, similares e hospitalares, que têm maior valor agregado. As informações são do Valor Econômico. Genéricos representam ainda uma fatia de 23% dentro da categoria varejo farmacêutico, com R$ 157 milhões de receita de janeiro a outubro do ano.

Até setembro, a companhia cresceu 62% ante mesmo período de 2021. Em 2023, a farmacêutica tem a meta de estar entre os dez maiores produtores de genéricos.

A expectativa é encerrar 2022 com receita na líquida casa de R$ 4 bilhões, com alta de 21% sobre o valor do ano passado. De janeiro a setembro, a União Química atingiu R$ 2,67 bilhões – aumento de 11,9% comparado com 2021.

No trimestre encerrado em 30 de setembro, a União Química apresentou crescimento de 27,9% na receita líquida ao se comparar com igual período de 2021. Alcançou R$ 1,028 bilhão, com Ebitda de R$ 205,5 milhões (alta de 24,2%).

A divisão de negócios Saúde Humana respondeu por R$ 826 milhões no ano, até setembro – crescimento de 26,9% na mesma base de comparação. Já a área de Saúde Animal atingiu R$ 299,8 milhões, alta de 45,8%.  Já a fabricação de medicamentos para terceiros respondeu por receita bruta de R$ 105 milhões no trimestre e quase R$ 400 milhões no acumulado de nove meses.

Crescimento da União Química foi baseado em aquisições

A empresa vem registrando uma média anual de crescimento de 30% desde 2015, impulsionada, principalmente, pelas diversas aquisições de ativos realizadas no Brasil. A aquisição mais recente foi a Schering do Brasil, pertencente à Bayer (unidade de Cancioneiro), localizada na cidade de São Paulo, especializada em hormônios femininos. A compra foi finalizada em abril deste ano. Nos Estados Unidos, a companhia estreou no segmento de saúde animal.

A companhia opera nove fábricas, sendo oito no Brasil – quatro em São Paulo, duas em Minas Gerais e duas em Brasília – e uma nos EUA, além de participação de 25% na Bionovis, empresa de biotecnologia controlada em conjunto com Aché, EMS e Hypera Farma, e que fica em Valinhos (SP).

Fonte: Redação Panorama Farmacêutico

Notícias Relacionadas

plugins premium WordPress
error: O conteúdo está protegido !!