O maior canal de informação do setor

Vacina da gripe reduz substancialmente riscos cardiovasculares em pacientes cardíacos, diz estudo

213

Se você tem doenças cardíacas ou fatores de risco para doenças cardíacas, já sabe sobre o aumento do risco de ataque cardíaco e derrame. Mas você sabia que pegar uma gripe pode aumentar substancialmente o risco de um evento cardíaco sério ou até fatal? Ou que tomar a vacina contra a gripe pode reduzir substancialmente esse risco, mesmo que você acabe contraindo o vírus sazonal? De acordo com uma revisão publicada no Journal of the American Heart Association, pacientes com doenças cardíacas continuam a ter baixas taxas de vacinação a cada ano apesar das taxas mais elevadas de mortalidade e complicações da gripe. ‘O risco é alto para qualquer paciente que tenha problemas cardiovasculares, independentemente da idade, mas os jovens com problemas cardíacos, por exemplo, não fazem parte do grupo prioritário da vacina contra a gripe’, explica o Dr. Juliano Burckhardt, médico cardiologista, geriatra e nutrólogo, membro do Corpo Clínico do Hospital Sírio Libanês, da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG) e da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN). “Isso é perigoso, considerando que as pessoas com problemas cardíacos são particularmente vulneráveis a complicações cardíacas relacionadas à Influenza, independentemente de terem atingido a idade de aposentadoria”, completa o médico cardiologista.

Veja também: Américas enfrentam crise na vacinação de rotina durante a pandemia

É bem sabido que a gripe pode causar sintomas respiratórios importantes, como pneumonia, bronquite e infecção bacteriana nos pulmões. Os efeitos do vírus no coração têm sido historicamente mais difíceis de analisar, em parte porque muitos pacientes já têm uma predisposição conhecida a eventos cardíacos e em parte porque o evento cardíaco geralmente ocorre semanas após o início da gripe. Mas uma pesquisa recente mostrou que: mortes cardiovasculares e epidemias de gripe aumentam na mesma época; e os pacientes têm seis vezes mais probabilidade de sofrer um ataque cardíaco na semana após a infecção por influenza do que em qualquer momento durante o ano anterior ou após a infecção. ‘Em um estudo analisando 336.000 internações hospitalares por gripe, 11,5% sofreram um evento cardíaco grave. Outro estudo analisando 90.000 infecções por influenza confirmadas em laboratório mostrou uma taxa muito semelhante de 11,7% experimentando um evento cardiovascular agudo. Um em cada oito pacientes, ou 12,5%, internados no hospital com gripe experimentou um evento cardiovascular, com 31% dos que necessitaram de cuidados intensivos e 7% morreram como resultado do evento, descobriu outro estudo. A razão pela qual a gripe estressa tanto o coração e o sistema vascular tem a ver com a resposta inflamatória do corpo à infecção’, diz o cardiologista.

Siga nosso Instagram

Segundo o Dr. Juliano, a inflamação ocorre quando os “primeiros reagentes” do seu corpo – glóbulos brancos e o que eles produzem para protegê-lo – se reúnem em uma área e começam a trabalhar no combate a uma infecção, bactéria ou vírus. ‘Quando você está doente, normalmente pode sentir os efeitos dessas ‘zonas de combate’ no inchaço, sensibilidade, dor, fraqueza e, às vezes, vermelhidão e aumento da temperatura das articulações, músculos e nódulos linfáticos. O aumento da atividade também pode causar uma espécie de congestionamento, levando a coágulos sanguíneos, pressão arterial elevada e até inchaço ou cicatrizes no coração. Os estressores adicionados tornam a placa dentro de suas artérias mais vulneráveis à ruptura, causando um bloqueio que interrompe o oxigênio para o coração ou cérebro e resulta em ataques cardíacos ou derrames, respectivamente’, diz o médico.

Além disso, segundo o Dr. Juliano, complicações não cardíacas da doença viral, incluindo pneumonia e insuficiência respiratória, podem piorar muito os sintomas de insuficiência cardíaca ou arritmia cardíaca. ‘Resumindo, o estresse adicional no sistema cardiovascular pode ser opressor para um músculo cardíaco já enfraquecido. Como os vírus da gripe estão em constante mutação, os cientistas alteram a vacina a cada ano para corresponder às prováveis cadeias prevalentes. Em média, é eficaz na prevenção de infecções em 40% das vezes. Embora isso possa não parecer ótimo – especialmente em comparação com as vacinas de mRNA COVID-19 altamente eficazes – é o suficiente para reduzir significativamente o risco de doenças graves na maioria das pessoas’, diz o médico.

Ultimamente, os estudos têm conseguido mostrar que não só a vacina é eficaz na proteção da população em geral e dos grupos de idade mais vulneráveis (acima de 65 e menos de 2 anos) de casos graves de gripe, mas também protege contra a mortalidade cardiovascular, especialmente entre a população de alto risco.

Algumas das descobertas recentes, segundo a revisão:

Os adultos que receberam a vacina tiveram 37% menos probabilidade de serem hospitalizados por causa da gripe e 82% menos probabilidade de serem admitidos na UTI por causa disso. Entre as pessoas internadas no hospital com gripe, os vacinados tiveram 59% menos chance de serem admitidos na UTI. Os pacientes vacinados admitidos na UTI passaram quatro dias a menos na UTI do que os pacientes não vacinados.

A vacinação foi associada a um menor risco de eventos cardiovasculares (2,9% vs 4,7%) se o paciente pegasse gripe. Entre os pacientes de maior risco com doença coronariana mais ativa, a vacinação foi associada a resultados consideravelmente melhores.

Os pacientes internados no hospital com síndrome coronariana aguda foram designados aleatoriamente para receber ou não a vacina contra a gripe antes da alta. Os principais eventos cardiovasculares ocorreram com menos frequência no grupo da vacina do que no grupo de controle (9,5% vs. 19%).

Como resultado dos benefícios demonstrados conferidos pela vacinação contra Influenza e os riscos apresentados pela infecção de gripe entre aqueles com doença cardiovascular, sociedades internacionais recomendam fortemente a vacinação anual contra influenza em pacientes com doença cardiovascular. ‘Os médicos devem garantir altas taxas de vacinação contra Influenza, especialmente naqueles com condições crônicas subjacentes, para proteger contra eventos cardiovasculares agudos associados à Influenza’, diz o médico. Para pacientes com problemas cardíacos, existem duas etapas importantes que você pode realizar para reduzir o risco:

Certifique-se de obter sua vacina contra a gripe na farmácia local ou no provedor de cuidados primários. Quanto mais cedo, melhor será para protegê-lo, pois você nunca sabe quando o vírus pode começar a se espalhar.

Certifique-se de tomar seus medicamentos e seguir sua dieta recomendada, exercícios e planos de redução do estresse. ‘Se o seu problema cardíaco estiver estável e você acabar pegando uma gripe, é provável que tenha menos complicações, menos graves do que se o seu problema cardíaco for mal administrado’, finaliza.

Fonte: Portal Splish Splash

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação