O maior canal de informação do setor

Venda de medicamento para diabetes registra aumento de 19%

172

A InterPlayers, o hub de negócios da saúde e bem-estar, indica que no período entre junho de 2020 e maio de 2021, em comparação com junho de 2019 a maio de 2020, as vendas de medicamentos para diabetes cresceram 19%. Tocantins, Rio Grande do Norte, Roraima, Acre e Minas Gerais foram os estados com as maiores elevações na comercialização desse tipo de medicamento. Abril e maio de 2021 foram os meses do último semestre que registraram as maiores altas em comparação com os mesmos meses do ano passado.

A procura por medicamentos para controle do diabetes aumentou 19% no Brasil, nos últimos 12 meses. É o que aponta levantamento feito pela InterPlayers, o hub de negócios da saúde e bem-estar, com base nos dados cadastrados em sua plataforma. A pesquisa comparou os períodos de junho de 2020 a maio de 2021 com junho de 2019 a maio de 2020.

Leia também: https://panoramafarmaceutico.com.br/hilab-auxilia-farmacias-na-gestao-dos-servicos-de-saude/

O levantamento aponta um destaque no mês de abril de 2021, com a alta de 23% sobre o mesmo mês de 2020. Em seguida vem maio de 2021, com elevação de 21% sobre maio do ano passado. Os estados onde foram registradas as maiores elevações são Tocantins (38%), Rio Grande do Norte (29%), Roraima (28%), Acre (27%) e Minas Gerais (27%). É válido ressaltar que os dados representam 21% dos volumes trafegados pelos distribuidores de medicamentos.

‘Curiosamente, os maiores aumentos percentuais dos últimos seis meses ocorreram nos meses de abril e maio deste ano, quando a segunda onda da pandemia estava no auge. Sendo assim, é provável que o crescimento da demanda seja reflexo dessa crise sanitária’, afirma Bruna Silvestro, diretora comercial da InterPlayers.

A afirmação de Bruna Silvestro faz sentido. Segundo especialistas, a restrição de mobilidade causada pela pandemia aumentou o sedentarismo, um dos fatores que contribuem para o surgimento da doença. Outro problema está ligado ao aumento do desemprego e à consequente queda na renda das pessoas.

Com menos dinheiro, parte da população começou a ingerir alimentos com mais taxas de carboidratos, que são mais baratos, porém contribuem para o desenvolvimento da doença se forem consumidos com exagero.

Além disso, estudos feitos na Inglaterra por pesquisadores do Imperial College de Londres mostram que os casos de diabetes tipo 1 em crianças quase dobraram durante o pico da epidemia de covid-19 no país. O estudo ainda não é conclusivo, mas isso pode estar ocorrendo por aqui também.

Fonte: Floresta Noticias

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação