O maior canal de informação do setor

Vendas no varejo em agosto caem 3,1%, maior queda para o mês e terceiro pior resultado para o setor em 20 anos

128

As vendas no varejo recuaram 3,1% em agosto, na comparação com o mês anterior. Os sucessivos aumentos nos preços de alimentos, combustíveis e energia elétrica têm deixado o orçamento mais apertado, reduzindo o ímpeto do consumo, dizem analistas. Até o segmento de hiper e supermercados teve queda.

No ano porém, o comércio varejista ainda acumula alta de 5,1%. Os dados são da Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), divulgada nesta quairta-feira pelo IBGE.

Seis das oito atividades pesquisadas tiveram taxas negativas em agosto, com destaque para outros artigos de uso pessoal e doméstico, que despencaram 16,0%. Essa atividade é composta, por exemplo, pelas grandes lojas de departamento.

Leia também: https://panoramafarmaceutico.com.br/nova-lei-de-licitacoes-traz-mais-insercao-de-venda-a-varejistas/

Foi um setor que sofreu bastante no início da pandemia, mas se reinventou com a reformulação das suas estratégias de vendas pela internet, lembra o gerente da PMC, Cristiano Santos.

“Isso culminou com crescimentos expressivos, principalmente em julho (19,1%) com o lançamento das plataformas de marketplace. Com muitos descontos, o consumidor antecipou o consumo em julho, fazendo com que o mês de agosto registrasse uma queda grande”, explica Santos.

O recuo no segmento de artigos de uso pessoal e doméstico foi o que mais puxou o indicador de vendas no varejo para para baixo. Mas há outras influências negativas. O setor de equipamentos e material para escritório, informática e comunicação, que cresceu muito na pandemia, caiu 4,7%.

Combustíveis e mercados

O de combustíveis e lubrificantes (-2,4%) também recuou, assim como o de móveis e eletrodomésticos (-1,3%). Até hipermercados e supermercados tiveram queda, com baixa de 0,9% no mês.

“Hiper e supermercados, assim como combustíveis e lubrificantes, vêm sendo impactados pela escalada da inflação nos últimos meses, o que diminui o ímpeto de consumo das famílias e empresas”, diz Santos.

Segundo ele, a receita nominal (sem descontar a inflação) de hiper e supermercados ficou perto de zero (0,3%) e a de combustíveis recuou 0,7%. Isso mostra que houve efetivamente um gasto menor das famílias na passagem de julho para agosto, acrescenta Cristiano Santos.

As duas atividades que tiveram variação positiva no volume de vendas em agosto foram tecidos, vestuário e calçados (1,1%) e artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (0,2%).

Apenas três estados com alta nas vendas

No comércio varejista ampliado, que inclui, além do varejo, veículos e materiais de construção, o volume de vendas caiu 2,5% em agosto na comparação com julho. A atividade de veículos, motos, partes e peças teve variação positiva de 0,7%, enquanto material de construção variou negativamente (-1,3%).

Na comparação com agosto do ano passado, houve queda de 4,1%. Foi a primeira queda nesta base de comparação desde fevereiro. O recuo ocorreu em praticamente todo o país. Houuve retração em 24 das 27 unidades da federação. Os três estados que ficaram no campo positivo foram Ceará (2,0%), Maranhão (1,0%) e Roraima (0,3%).

Fonte: Extra

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação