Fique por dentro dos principais FATOS e TENDÊNCIAS que movimentam o setor

ABRADIMEX cria projeto para valorizar distribuição hospitalar

Acompanhe as principais notícias do dia no nosso canal do Whatsapp

ABRADIMEX cria projeto para valorizar distribuição hospitalar
Cesar Bentim: consultor e conselheiro consultivo certificado coordena novo planejamento da ABRADIMEX
Foto: Divulgação

Após o bom desempenho alcançado em 2023, a ABRADIMEX deu início a um planejamento estratégico para realçar a relevância da distribuição hospitalar de  medicamentos.

Com 15 empresas associadas, a entidade apurou um avanço de 20% no faturamernto de 2023 em relação ao ano anterior, de acordo com a IQVIA. Assim, a ABRADIMEX reafirma sua representatividade em um segmento altamente regulado e crítico do ponto de vista sanitário e logístico.

Na percepção de Paulo Maia, presidente executivo da associação, a distribuição hospitalar assumiu um novo papel como prestadora de serviço. O setor vem se consolidando como um braço da indústria farmacêutica em operações como os programas de suporte ao paciente (PSPs).

“Permitimos aos laboratórios alocarem mais esforços para a pesquisa e desenvolvimento de novos remédios. Mas é necessário dar mais vazão a esse protagonismo, ao mesmo tempo em que precisamos resolver uma equação que envolve aumento da demanda e estreitamento das margens”, acredita.

Para liderar a condução desse plano, a ABRADIMEX recrutou um nome com ampla experiência de mercado. Professor da FIA e da ESPM, Cesar Bentim passou a exercer o cargo de diretor consultivo da entidade, respaldado por 30 anos de trajetória na indústria farmacêutica – incluindo passagens por Aché, Pfizer, Novo Nordisk, Abimip e IQVIA.

Entre as primeiras atribuições de Bentim estão o mapeamento e aproximação de stakeholders estratégicos com entidades vinculadas ao ecossistema de medicamentos de especialidades – Abramge, ANAHP, Interfarma e Sindusfarma. A associação também mira as boas práticas do Exterior e deu início a interlocuções com a IFPW, entidade global que reúne empresas e associações ligadas à distribuição de produtos para a saúde. Outra meta é a inserção da distribuição como um elo efetivo do sistema de saúde.

Distribuição hospitalar de olho em mercado de R$ 62 bilhões

Bentim se ancora em números do setor para enfatizar as lacunas de mercado que podem ser ocupadas pela distribuição hospitalar.

O chamado mercado non-retail, que agrega os medicamentos de especialidades, já movimenta R$ 62 bilhões no Brasil e vem avançando dois dígitos desde 2020, mesmo desconsiderando a demanda por vacinas da Covid-19. Deste montante, R$ 31 bi são gerados pela rede da ABRADIMEX.

“Na prática estamos falando de outros R$ 31 bilhões de oportunidades, dos quais R$ 21 bi correspondem a vendas diretas negociadas com clínicas e instituições hospitalares. Com capilaridade, expertise no transporte,  armazenamento de medicamentos e insumos mais sensíveis, e um leque de serviços que não para de crescer, as distribuidoras têm plenas condições de absorver essa demanda”, comenta.

A base de atendimento também pode aumentar, na visão do consultor. “As  distribuidoras de medicamentos de especialidades abastecem hoje 3.583 dos 4.460 hospitais privados brasileiros (80% de cobertura) e 9.909 de 16.322 clínicas (61%). Temos 7.290 instituições carentes de abastecimento e logística mais especializadas”, comenta.

Medicamentos consumidos em hospitais requerem atenção especial

Sejam medicamentos biológicos ou mesmo que requerem cadeia fria, esses produtos têm alto custo e manejos cada vez mais específicos, atendendo a uma agenda de inovação da indústria farmacêutica global.

“Nesse contexto, iremos nos engajar aos esforços internacionais ligados à garantia de qualidade dos produtos desde sua origem até o consumo. Esse tema é crítico e versa sobre a vigilância na comercialização de medicamentos, respeitando regras regulatórias sanitárias e de farmacovigilância”, acrescenta.

“A cadeia de especialidades apresenta um potencial inegável. Mas devemos intensificar os elos setoriais para que consigamos, de fato, mudar a realidade de acesso à saúde de alta complexidade no Brasil, com mais compartilhamento de informações e custos”, finaliza Paulo Maia.

Notícias Relacionadas

plugins premium WordPress
error: O conteúdo está protegido !!