Fique por dentro dos principais FATOS e TENDÊNCIAS que movimentam o setor

Anvisa suspende medicamento contra Covid. Saiba qual

Acompanhe as principais notícias do dia no nosso canal do Whatsapp

medicamento contra Covid
Divulgação: Anvisa

A Anvisa anunciou a suspensão temporária de um medicamento contra Covid, que detinha a autorização de uso emergencial. Trata-se do Evusheld (Tixagevimabe + Cilgavimabe), de fabricação da AstraZeneca.

Segundo informações do G1, o remédio foi o primeiro com indicação profilática a receber autorização no país, em fevereiro de 2022. O medicamento consiste em uma combinação dos anticorpos monoclonais – cilgavimabe e tixagevimabe. Sua recomendação é para casos leves a moderados, especialmente no caso de pacientes mais propensos a ter uma progressão ou agravamento da doença.

De acordo com a agência, a decisão da Diretoria Colegiada foi unânime. A autarquia oficializou que os dados da farmacêutica demonstraram uma significativa queda na eficácia do medicamento no combate às variantes do coronavírus que circulam no Brasil. A suspensão vigora até a apresentação de indicadores que apontem o caminho contrário.

O Evusheld tem indicação de uso na profilaxia pré-exposição e tratamento da Covid-19 de casos leves a moderados, para pacientes que possuem alto risco de progressão e agravamento da doença.

Medicamento contra Covid também teve suspensão nos EUA

O medicamento contra Covid da AstraZeneca já havia sido alvo de uma decisão similar dos Estados Unidos. A Food and Drug Administration (FDA) informou, em janeiro deste ano, que o remédio não se mostrou eficiente na neutralização de subvariantes da ômicron.

Em resposta à agência norte-americana, a fabricante anunciou que estava promovendo ensaios clínicos de um novo medicamento capaz de combater as novas cepas do vírus e também de prevenir o surgimento de casos.

No Brasil, a prevalência atual das variantes é de 77% no caso da BQ.1 e de 15% para a BA.5. A Anvisa ainda destacou que, havendo lotes do medicamento em território brasileiro, a empresa deve notificar os profissionais de saúde sobre sua ineficácia.

Notícias mais lidas

Notícias Relacionadas

plugins premium WordPress