Fique por dentro dos principais FATOS e TENDÊNCIAS que movimentam o setor

Farmacêutico: você sabe atuar na dispensação de cannabis?

Acompanhe as principais notícias do dia no nosso canal do Whatsapp

dispensa cannabis

Um dos papeis mais importantes do farmacêutico na dispensação de cannabis está relacionado à orientação adequada ao paciente a fim de evitar problemas relacionados ao mau uso dos produtos e assegurar o melhor resultado possível no tratamento.

Segundo nota técnica do CRF-MG, no ato da dispensação, além de verificar a conformidade da prescrição em relação à indicação, dose, posologia, frequência e duração do tratamento, faz parte das ações do cuidado farmacêutico a orientação ao paciente sobre o uso do produto e monitoramento da possível ocorrência de eventos adversos, de forma a garantir a eficácia, a segurança e a conveniência da farmacoterapia proposta.

Dispensação de cannabis e escrituração

A dispensação dos produtos à base de cannabis deve ser feita, exclusivamente, por profissional farmacêutico.

  • As receitas com concentração de THC até 0,2% devem ser acompanhadas da Notificação de Receita “B”, nos termos da Portaria SVS/MS nº 344, de 12 de maio de 1998 e suas atualizações.
  • Para as concentrações de THC acima de 0,2%, a receita deve ser acompanhada da Notificação de Receita “A”, nos termos da Portaria SVS/MS nº 344/1998 e suas atualizações.

Na constatação da regularidade da prescrição cabe ao farmacêutico efetuar a escrituração da movimentação dos produtos de cannabis por meio do Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados (SNGPC), nos termos da RDC nº 22, de 29 de abril de 2014, e suas atualizações.

Acompanhamento e monitoramento do paciente

“O farmacêutico deve prestar orientação ao paciente com vistas a esclarecer sobre a relação risco-benefício, a conservação e a utilização de produtos de cannabis e medicamentos inerentes à terapia, bem como as suas interações medicamentosas e a importância do seu uso correto”, afirma Ana Cimbleris Alkmim, coordenadora do Grupo Técnico de Fitoterapia do CRF/MG.

O paciente deve ser monitorado por meio de ficha de acompanhamento farmacoterapêutico, permitindo ao farmacêutico o registro de sua evolução com o tratamento, tendo em vista a segurança e a obtenção dos melhores resultados clínicos.

Notícias Relacionadas

plugins premium WordPress