Fique por dentro dos principais FATOS e TENDÊNCIAS que movimentam o setor

Farmacêutica japonesa quer crescer no Brasil com remédio para insônia

Acompanhe as principais notícias do dia no nosso canal do Whatsapp

remédio para insônia

Um remédio para insônia, que já é considerado o mais eficaz do mundo, é a aposta de mais uma farmacêutica estrangeira para crescer no Brasil. As informações são da Folha de S.Paulo.

A japonesa Eisai, com escritório comercial no bairro paulistano da Vila Olímpia, já submeteu o medicamento para análise da Anvisa. Quem afirma é o responsável técnico pela filial no país, Luiz Silva. Segundo o executivo, a expectativa é pela aprovação até o primeiro semestre de 2023. “E pretendemos disponibilizar o medicamento nas farmácias ainda no próximo ano”, acrescenta.

Remédio contra insônia já tem aprovação nos EUA

Desde 2019 esse remédio para insônia já tem aprovação da FDA, a agência reguladora dos Estados Unidos. Agora aguarda aprovação no Reino Unido. A depender de um estudo científico publicado no último mês de julho, o lemborexant tende a avançar mais rapidamente para outros mercados.

De acordo com artigo da The Lancet, que tem assinatura de pesquisadores da Universidade de Oxford, o remédio mostrou-se o mais eficaz no combate à insônia, apesar de exigir dados mais robustos sobre sua segurança.

A pesquisa consiste em uma revisão sistemática e utilizou, como efeito de comparação, vários outros remédios contra insônia utilizados em adultos e um grupo placebo. Os pesquisadores levaram em conta os resultados para a melhoria da qualidade do sono, a taxa de descontinuidade dos tratamentos, efeitos colaterais e segurança dos medicamentos.

Insônia: mal crônico no Brasil

O lemborexant compõe a família de antagonistas da hipocretina (ou orexina), uma substância presente no hipotálamo, uma pequena região do cérebro. O medicamento desponta como alternativa terapêutica para um mal crônico. A Associação Brasileira do Sono (ABS) aponta que 73 milhões de brasileiros convivem com a insônia. Especialistas acreditam que de 30% a 40% dos indivíduos sofrerão com esse problema em alguma fase da vida.

Fonte: Redação Panorama Farmacêutico

Notícias mais lidas

Notícias Relacionadas

plugins premium WordPress