Fique por dentro dos principais FATOS e TENDÊNCIAS que movimentam o setor

Lista de empresas bilionárias do Brasil inclui sete farmácias

Acompanhe as principais notícias do dia no nosso canal do Whatsapp

 

empresas bilionárias

Sete farmácias fazem parte do privilegiado rol de 621 empresas bilionárias em atuação no Brasil. Conduzido pelo Serasa-Experian e pelo Centro de Estudos em Finanças da EAESP-FGV, o estudo anual leva em conta o valor de mercado das companhias – indicador que integra a receita líquida do ano passado e variáveis como Ebitda e rentabilidade patrimonial.

Unidas, as sete farmácias formariam uma corporação com R$ 45,7 bilhões de valor de mercado, um avanço de 8,4% em relação aos R$ 42,1 bilhões do levantamento anterior. Apesar da evolução consistente, o varejo farmacêutico brasileiro permanece bem distante do patamar de players como a CVS Health, avaliada em US$ 137,5 bilhões segundo estudos internacionais.

Estreante entre as empresas bilionárias e contraste entre duas redes

Das representantes do canal farma entre as empresas bilionárias, apenas a Drogaria Araujo é estreante no ranking, que revela posições extremas entre as duas primeiras colocadas. A líder RaiaDrogasil apresentou o maior índice de crescimento – 14,2% – e ocupa o 42º lugar na classificação geral. Seu valor chega a R$ 20 bilhões, ancorado na velocidade de abertura de lojas e nos investimentos em plataformas de marketplace e saúde.

“Nosso nível atual de digitalização nos permite atuar como um shopping center virtual, conectando parceiros e startups focadas nas áreas de saúde, beleza e bem-estar”, destaca Luiz Alberto Ratto, diretor de novos negócios. A rede encerrou 2021 com 2.500 farmácias e presença em todos os estados da Federação.

Reação de R$ 350 milhões

O concorrente mais próximo, por sua vez, não alcança os dois dígitos de valor de mercado e teve um avanço tímido de 1,6% em sua receita líquida. Além de se distanciar da Raia Drogasil, o Grupo DPSP convive com a aproximação das Farmácias Pague Menos, que cresceu 6,8%. Mas a reação chega em forma de investimentos robustos.

Depois da troca de direção no segundo semestre de 2021, que conduziu Jonas Laurindvicius ao cargo de CEO, a companhia anunciou aporte de R$ 350 milhões ainda este ano. Os recursos serão destinados não apenas a novas unidades, como também à reforma das lojas já existentes e dos centros de distribuição.

No entanto, enquanto RD, Pague Menos e Panvel abriram capital, a DPSP descarta essa hipótese. A rede aposta no crescimento orgânico e começa a avançar para novos estados, incluindo Mato Grosso, onde o grupo deve inaugurar quatro unidades. A empresa também busca ampliar a participação de mercado em cada região onde está presente.

As sete farmácias bilionárias em valor de mercado

empresas bilionárias

Fonte: Redação Panorama Farmacêutico

Notícias Relacionadas

plugins premium WordPress