O maior canal de informação do setor

Estética responsável: cosméticos em barra levam sustentabilidade para a beleza

91

sustentabilidade  – Antes de começar a ler este texto, entre no seu banheiro (ou pense nele) e conte quantas embalagens estão ali. Xampu, creme de barbear, loção hidratante. O número de cosméticos que usamos no dia a dia é alto, porém maior ainda é a quantidade de lixo produzido.

A estética e a sustentabilidade devem caminhar juntas. Ao menos é nisso que acreditam as empresas que apostam em produtos em barra. Durante a pandemia, os consumidores passaram a se interessar mais pelos valores das empresas, além de seus produtos. O fenômeno ganhou o nome de clean beauty, uma beleza que preza por produtos naturais e diminuição dos industrializados.

Mais do que prometer algo milagroso, esses produtos valorizam uma rotina de beleza consciente, livres de químicas pesadas, sem testes em animais e com embalagens recicláveis. Além disso, economizam água em sua produção e gastam menos CO2 na entrega dos produtos que, por serem mais concentrados, rendem mais.

No início do isolamento social imposto pela pandemia de covid-19, a nutricionista e influenciadora digital Luana Friedrick descobriu o mundo dos cosméticos sólidos e teve uma mudança de vida. “Sempre busquei produtos não testados em animais, com uma formulação mais natural, mas até bem pouco tempo atrás não havia tantas opções no mercado e o preço, muitas vezes, tornava esses produtos de difícil acesso”, lembra. “Nessa busca, encontrei a Amokarité. Olhei a composição: pigmento de fruta, óleo de rícino, cera. Tudo é natural. Precisava testar”, recorda. “Mas, o que me chamou a atenção é que, além de tudo, é uma maquiagem de tratamento. Nunca tinha ouvido falar de um produto que quanto mais se usa, mais ele trata a pele. Achei incrível.”

A descoberta a levou a testar outros produtos com o mesmo apelo. “Experimentei e passei a utilizar diariamente os xampus e condicionadores em barra também. Ainda não é o cenário ideal, gostaria de fazer isso com muitas outras coisas, mas estou caminhando”, comemora.

Um dos atrativos dos produtos da Amokarité, marca criada por Estephanie Racy em 2019, é a multifuncionalidade. “Me dei conta que não era mais preciso ter sombra, blush, batom… Podia fazer um produto para todas essas aplicações num só potinho – ainda de plástico, mas a quantidade de embalagens era significativamente menor”, conta Estephanie. Hoje, a maquiagem sólida da marca vem envolta em celofane vegetal biodegradável que a mantém fechada, segura, estável e com proteção térmica. Também foram criadas maquiagens multifuncionais pastosas, que usam embalagem de papel.

Vegana há três anos, Estephanie se viu sem alternativas na hora de escolher maquiagens. “Fiz uma limpa nos meus cosméticos e eliminei tudo que tinha origem animal ou era feito por empresas que faziam testes em animais. Fiquei sem nada”, conta. “Foi então, observando e ajudando minha mãe, que tinha aprendido a fazer sabonetes artesanais, que eu me perguntei: Por que não produzir minhas próprias maquiagens?.”

Assim, ela começou a pesquisar. Com a primeira leva de matéria-prima, ela fez batons só com ingredientes naturais: ceras vegetais (carnaúba, coco) manteiga de Karité (que virou o nome da marca, porque a manteiga de karité vai em quase todos os produtos), óleos vegetais e pigmentos extraídos de rochas (óxido de ferro e mica) e de cascas de frutas.

Em seis meses, a empresa de Estephanie já tinha uma linha de maquiagem completa. Mas, apesar do sucesso, a empresária não estava satisfeita. “Me dei conta da quantidade de embalagens e de plástico que isso demandava e comecei a procurar soluções”, lembra. Isso chamou a atenção de Clara Klabin. A administradora e expert em sustentabilidade se apaixonou pela marca e entrou na sociedade há um ano agregando sua experiência no ramo de embalagens.

Não é incomum ver empreendedores que tinham um incômodo pessoal com o mercado de cosméticos e decidem criar sua própria empresa. Foi assim com uma das pioneiras no Brasil, a B.O.B (Bars Over Bottles, ou barras em vez de garrafas).

Amigos de infância, Andreia Quercia e Victor Falzoni uniram forças para criar uma marca que ajudasse a reduzir o impacto ambiental. “Começamos a analisar o quanto de pegada deixavam os produtos de uso rotineiro. E nos deparamos com a poluição plástica, um dos maiores desafios da nossa e das próximas gerações”, lembra Andreia.

Nesse processo, eles descobriram que em uma embalagem de xampu, por exemplo, cerca de 80% do produto é água. “Começamos a calcular o impacto de transportar essa água por toda a cadeia produtiva e a necessidade do uso de plástico descartável que esse produto líquido exige para ser armazenado e transportado”, pontua Andreia. “Entendemos que essa era uma oportunidade: tirar a água dos produtos cosméticos.”

A dupla resolveu apostar na waterless beauty (beleza sem água). A ideia por trás da tendência é encontrar formas alternativas de cuidado, que envolvam menor uso e consumo de água, seja na produção ou na forma como são utilizados. “Separando o sólido do líquido é possível embalar o produto em papel, um material biodegradável, que se decompõe em até seis meses, ambientalmente amigável.”

ACESSÍVEL

“Quando a gente embarca nesse mundo dos cosméticos naturais, entra em toda reflexão que está por trás desses cosméticos“, diz Cláudio Marques, cocriador da Kurandé Cosméticos, ao lado de Felipe Garcia. “Começamos a questionar o que estamos consumindo, o que eu realmente preciso, o que é necessário consumir para ter uma beleza, uma pele saudável e bem-estar.”

Criada em julho de 2019, a Kurandé propõe levar fórmulas de autocuidado e amor por meio de receitas caseiras que valorizam o saber ancestral. “A gente via muitas vezes a sustentabilidade em pautas que não contemplavam nosso jeito de viver, o lugar onde a gente mora”, conta. “Nossos ancestrais sempre foram sustentáveis e não precisavam dessas palavras e nem desse discurso. Era de fato um estilo de vida no qual eles conheciam as ervas e o poder dos produtos naturais.”

A empresa, fundada no Complexo do Alemão, no Rio, tem como missão a promoção e o fortalecimento da autoestima de pessoas negras e indígenas, mostrando que para ser sustentável basta querer.

“Tem muito insumo aqui no Brasil, tem muita matéria-prima brasileira, nacional. Da Floresta Amazônica, da Mata Atlântica, que tem um preço muito acessível e às vezes um poder de ação até melhor para o nosso corpo, para o clima no qual a gente está. Investimos muito também em pesquisas sobre o que temos aqui e como transformar isso num cosmético de uso diário para as pessoas”, diz.

Por serem criadas por um público jovem e majoritariamente consumidas pela mesma faixa etária, as marcas são fortes nas redes sociais e possuem lojas virtuais intuitivas. A B.O.B usou a força online para explicar ao público os benefícios da compra de produtos em barra. “O brasileiro é aberto a novidades, gosta de testar, aceita essa troca, desde que você explique bem e dê argumentos convincentes”, explica Andreia.

O site da marca indica a quantidade de embalagens que deixam de ser consumidas na compra de cada produto. De acordo com os sócios da B.O.B., desde 2019, quando a empresa foi fundada, seus produtos de formulação sólida foram responsáveis pela eliminação de 2,5 milhões de embalagens plásticas.

FOCO NO FUTURO

Apesar de parecer tentador transformar todos os cosméticos em barra e acabar de vez com as embalagens de plástico, isso ainda não é possível. A Ollie, por exemplo, marca brasileira que traz proteção solar em seus produtos, ainda busca por uma solução em embalagens recicláveis. Enquanto não encontra, foca em outras atitudes para ajudar o planeta.

“A gente quis trazer um produto que fosse o mais clean possível. Não é testado em animais, é totalmente livre dos ingredientes que são taxados como prejudiciais aos corais, não tem água em sua formulação, são livres de parabenos”, enumera a criadora da marca, Tarsila Mendonça. Além do cuidado com o planeta, a empresa foca no cuidado pessoal. “A ideia é exatamente conscientizar as pessoas da importância do uso do FPS, ao mesmo tempo que tem um autocuidado com a pele, sem modificar quem você é.”

De acordo com o Caderno de Tendências 2019-2020, estudo feito pela Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec) e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), a beleza com foco em ingredientes de origem natural cresce entre 8% e 25% ao ano no mundo todo. O relatório ainda mostra que 41% dos brasileiros têm interesse em maior variedade de produtos de beleza e cuidados pessoais com ingredientes de origem natural.

Conheça outras marcas de cosméticos sustentáveis

Cha´ Dao

Inspirada nas cerimônias do chá da China, as criadoras da marca combinam ervas com aromas, sabores e texturas únicas em chás, cosméticos e produtos naturais. “Temos, em nossa essência, o contato íntimo e ritualizado com a natureza”, contam elas no site. Instagram: @cha.dao.

The Green Concept

Luizi, CEO e fundadora da marca, se queixava do fato de o mercado da beleza ser liderado por multinacionais que nem sempre levam em conta os impactos ambientais e sociais derivados de sua produção e comercialização. Assim, ela passou a produzir cosméticos que fossem na contramão dessa proposta.

UNeVie

A empresa tem em seu portfólio mais de 120 itens autorais, com responsabilidade animal e sustentável. Além de maquiagem, sabonete e xampu sólidos, a marca oferece desodorante, espuma de barbear e até pasta de dente sólidos. Instagram: @uneviecosmeticos

Natura Biome

Recém-lançada pela Natura, a marca conta com xampu de uso diário e de hidratação, condicionador, sabonete comum e esfoliante em barra. A novidade está à venda na loja-conceito da marca na Rua Oscar Freire, em São Paulo, mas em breve também estará disponível no e-commerce próprio. Instagram: @naturabiome.

Relax Cosméticos

No coração da Avenida Paulista fica a marca que hoje tem a missão de criar meios para o consumo ético e sustentável de cosméticos revitalizadores. Seu diferencial é oferecer produtos sustentáveis para todos os tipos de pele e cabelo. No site, é possível optar por “pele sensível”, “com manchas” ou “maduras”, por exemplo. Já para o cabelo, oferece produtos em barra para os danificados, coloridos e até com queda. Instagram: @relaxcosmeticos.

Simple Organic

De Florianópolis para o mundo. Séruns, hidratantes, xampus, batons, bases: a marca afirma que sua matéria-prima é cruelty-free, vegana, natural e orgânica, retirada da natureza por meio do manejo sustentável. Diz ainda neutralizar o CO2 de toda a da cadeia de produção e conta com sistema de logística reversa para cuidar do produto mesmo após o seu descarte. Instagram: @simpleorganic.

Fonte: Diário de Cuiabá

 

Veja Também: https://panoramafarmaceutico.com.br/iniciativas-pague-menos-aprimoram-pdv/

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação