O maior canal de informação do setor

Índia autoriza uso de vacina com tecnologia em DNA contra a Covid-19

115

O regulador de medicamentos da Índia aprovou, nesta sexta-feira (20), o uso emergencial da vacina contra a Covid-19 produzida pela Zydus Cadila, o primeiro imunizante de DNA contra o coronavírus, em adultos e crianças com 12 anos ou mais.

A aprovação dá um impulso ao programa de vacinação da Índia, que visa imunizar todos os adultos até dezembro e fornecerá a primeira injeção para menores de 18 anos, já que o país ainda luta para conter a disseminação do vírus em alguns estados.

A vacina, ZyCoV-D, usa uma seção de material genético do vírus que fornece instruções como DNA ou RNA para fazer a proteína específica que o sistema imunológico reconhece e responde.

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/digitalizacao-amplia-acesso-a-medicamentos-especiais-na-4bio/

Ao contrário da maioria das vacinas contra a Covid-19, que precisam de duas doses ou mesmo uma única dose, a ZyCoV-D é administrado em três doses.

A fabricante de medicamentos genéricos pretende produzir de 100 milhões a 120 milhões de doses de ZyCoV-D anualmente e já começou a estocar a vacina.

A vacina da Zydus Cadila, desenvolvida em parceria com o Departamento de Biotecnologia da Índia, é a segunda injeção caseira a obter autorização de emergência no país, depois da Covaxin, da Bharat Biotech.

A farmacêutica disse em julho que sua vacina foi eficaz contra as novas variantes do coronavírus, especialmente a Delta, e que a injeção é administrada usando um aplicador sem agulha em vez das seringas tradicionais.

O aceno regulatório torna a ZyCoV-D a sexta vacina autorizada para uso no país, onde apenas cerca de 9,18% de toda a população foi totalmente vacinada até agora, de acordo com dados da Universidade Johns Hopkins.

A Zydus Cadila também apresentou dados avaliando um regime de duas doses para a injeção em julho e planeja buscar a aprovação regulatória para isto.

A empresa solicitou a autorização do ZyCoV-D em 1º de julho, com base em uma taxa de eficácia de 66,6% em um teste de estágio final com mais de 28 mil voluntários em todo o país. (CNN Brasil)

Fonte: Portal da Saúde News

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação