O maior canal de informação do setor

Não medicamentos já representam mais de 30% da receita das farmácias

1.547

Não medicamentos já representam mais de 30% da receita das farmácias

A  Close-Up International apresentou dados inéditos que ratificam a crescente relevância dos não medicamentos para o mercado farmacêutico. Os últimos 12 meses até agosto de 2021 registraram R$ 31,7 bilhões em vendas de itens de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos (HPC); alimentos e bebidas; e em outras categorias. O avanço no faturamento foi de 19,3%.

Os indicadores foram revelados durante o Outlook 2021, evento virtual que mobilizou mais de 2,2 mil profissionais do setor nos dias 6 e 7 de outubro. “Esse conjunto de produtos já superou 30% das vendas em todos os nichos de farmácias”, enfatiza Paulo Paiva, vice-presidente Latam da Close-Up.

“São itens que podem contar com atuação de mídia e promoção de forma irrestrita, além de estarem muito atrelados a compras por impulso na farmácia, o que proporciona boas margens”, argumenta.

Motores do crescimento

Segundo a consultoria, o preço ainda exerce a maior influência sobre a evolução dessas categorias no varejo farmacêutico. Esse fator garantiu alta de 8,1% na comercialização de artigos de HPC, 5,2% em alimentos e bebidas e 11,3% em outros produtos.

“O volume de lançamentos desse segmento durante o ano também é expressivo quando se compara com o mercado farmacêutico como um todo”, complementa.

Elementos de crescimento

Total não medicamentos HPC Alimentos e bebidas Outras
Lançamentos 5,6% 4,9% 4,1%

8%

Preço

8,5% 8,1% 5,2% 11,3%
Volume 4,8% 2,2% 7,2%

9,6%

Mix

0,4% 0,2% 0,4% 1,1%
Crescimento total 19,3% 15,4% 16,8%

30%

Dez principais corporações

No ranking dos dez principais players do segmento de não medicamentos na farmácia, a liderança é da L’Oréal, com 24,9% de crescimento; seguida da Procter & Gamble (P&G), com 21,1%. Já a melhor performance foi apresentada pela Nestlé, que ocupa a terceira colocação – 25,3%. Em nono lugar, a Colgate-Palmolive apresentou evolução de 23,3%.

Johnson & Johnson (3,6%), Unilever (10,4%), Kimberly-Clark (18,7%), Beiersdorf, fabricante da Nívea (12%), Danone (7,3%) e Hypera Pharma (17,2%) apresentaram crescimento menor em função da situação de categorias com as quais esses fabricantes trabalham dentro do varejo, que foram mais impactadas pela situação da pandemia.

Ranking

Corporações R$ desconto Crescimento x ano anterior %
1 L’Oréal 2,5 bi

24,9%

2

Procter & Gamble (P&G) 1,8 bi 21,1%
3 Nestlé 1,7 bi

25,3%

4

Johnson & Johnson 1,7 bi 3,6%
5 Unilever 1,7 bi

10,4%

6

Kimberly-Clark 1,4 bi 18,7%
7 Beiersdorf 0,9 bi

12%

8

Danone 0,8 bi 7,3%
9 Colgate-Palmolive 0,7 bi

23,3%

10

Hypera Pharma 0,7 bi

17,2%

 Segmento de HPC

No segmento de HPC, dez categorias representam 52,7% das vendas totais. Destaque para cuidados faciais, que tiveram incremento de 28%; e roupas íntimas descartáveis, com evolução de 40% no período. As fraldas infantis lideram em vendas, com 12,5% da venda total das categorias de HPC

Categorias HPC

MAT 08/21

 (em R$ bilhões)

Evolução em R$ (%) Representatividade

(%)

Fraldas infantis 2,3 bi 20,7% 12,5%
Emolientes e protetores 2,0 bi 20,7% 10,8%
Prep. derm. inc. kamp 1,7 bi 21,7% 9,4%
Desod. Corporal feminino 0,6 bi 10,5%

3,3%

Cuidado facial geral 0,6 bi 28,2% 3,2%
Tintura capilar 0,6 bi 1,2% 3,1%
Desod. Corporal masculino 0,5 bi 10,3% 2,9%
Protetores solares 0,5 bi 5% 2,8%
Lenço/toalha umedecida infantil 0,5 bi 8,6% 2,5%
Roupa íntima descartável 0,4 bi 39,9% 2,3%

Alimentos e bebidas

Já em relação aos alimentos e bebidas, dez categorias somam 93,9% das vendas. As formulações pediátricas perfazem mais da metade do volume de negócios e os suplementos lideraram o incremento percentual.

Categorias

Alimentos e bebidas

MAT 08/21

 R$ desconto

Evolução em R$ (%) Representatividade

(%)

Formulações pediátricas 2,2 bi 15,9%

52,2%

Outras formulações nutritivas

0,6 bi 22,6% 14,8%
Outros suplementos alimentares 0,3 bi 59,8%

6,4%

Chocolates e bombons

0,2 bi 31,4% 5,7%
Balas, pastilhas e confeitos 0,2 bi -9,2%

4,7%

Energéticos

0,1 bi 32,6% 2,3%
Suplementos esportivos 0,1 bi 22,9%

2,1%

Águas

0,1 bi -20,3% 2%
Goma de mascar 0,1 bi -15,1%

2%

Suplementos proteinicos

0,1 bi 11,6%

1,9%

Outras classes

Dez categorias de outras classes totalizam 46,1% das vendas, com destaque para testes de diagnóstico, cuja alta foi de 727,4%.

Categorias

Outras classes

MAT 08/21

 R$ desconto

Evolução em R$ (%) Representatividade

(%)

Polivitamínicos e minerais 0,8 bi 19,7%

8,6%

Testes diagnósticos

0,5 bi 727,4% 5,6%
Curativos e feridas 0,5 bi 16,8%

5,5%

Descartáveis

0,4 bi 602% 4,6%
Testes de diabetes/ sangue  0,4 bi 9,5%

4,1%

Pre. Antiacne tópicas

0,4 bi 28,1% 3,9%
Microorganismos antidia. 0,3 bi 31,5%

3,7%

Prod. Sist. Musc., esq.

0,3 bi 20,5% 3,6%
Cálcio 0,3 bi 12,6%

3,3%

Agulhas e seringas

0,3 bi 5,4%

3,2%

Fonte: Redação Panorama Farmacêutico


Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente
Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/nova-lei-de-licitacoes-traz-mais-insercao-de-venda-a-varejistas/

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação