O maior canal de informação do setor

Preços de medicamentos hospitalares recuam 2,29%

289

O consumidor deve sentir um impacto em seu bolso a partir do primeiro dia de Abril. Mesmo com a pandemia do novo coronavírus

Os preços de medicamentos para hospitais recuou 2,29% em agosto, conforme dados divulgados nesta segunda-feira (13) pela Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas) em parceria com a Bionexo. É a terceira queda consecutiva do indicador. A desaceleração no valor dos remédios coincide com a melhora nos indicadores de contaminação, internação e mortes por causa da pandemia de covid-19.

Mas apesar da sequência de baixas, o valor dos medicamentos acumula ganho de 9,93% nos últimos 12 meses e já saltou 7,85% entre janeiro e agosto deste ano.

De acordo com as as informações apresentadas pelo IPM-H (Índice de Preços de Medicamentos para Hospitais), a queda de preços no mês de agosto foi guiada pelos remédios para o aparelho cardiovascular (-9,91%), sistema nervoso (-8,34%) e sistema musculoesquelético (-5,97%).

Também ficaram mais em conta medicamentos hospitalares para preparos hormonais (-4,84%), anti-infecciosos gerais para uso sistêmico (-3,57%), aparelho digestivo/metabolismo (-2,29%), entre outros, diz o estudo.

Entram na lista desses grupos medicamentos utilizados pelos hospitais em casos graves relacionados à covid-19, como propofol (anestésico), fentanila (analgésico) e omeprazol (distúrbios gastrointestinais).

No comparativo com outros índices de preço, a variação mensal do IPM-H também foi inferior ao comportamento do IPCA/IBGE (inflação oficial) em agosto (+0,87%), bem como a inflação calculada pelo IGP-M/FGV (inflação do aluguel) no mesmo período (+0,66%).

Além disso, a diminuição captada pelo índice de preço de medicamentos para hospitais também contrasta com a variação positiva com a taxa média de câmbio no mês (+1,84%).

Sobre a pesquisa

Os pesquisadores ressaltam que o IPM-H não mensura o comportamento dos preços de medicamentos em farmácias, isto é, nos preços ao consumidor final (segmento varejo).

Além disso, o IPM-H não é uma medida de variação dos custos dos hospitais e/ou planos de saúde, que envolvem também gastos com equipamentos, procedimentos, materiais, recursos humanos e protocolos de tratamento/atendimento.

Fonte: Redação Panorama Farmacêutico


Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente
Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/congresso-da-abrafarma-reflete-sobre-a-farmacia-no-pos-pandemia/

 

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação