O maior canal de informação do setor

DPSP muda direção com avanço da concorrência

8.173

Após cinco anos à frente do Grupo DPSP, Marcelo Doll deixou o comando da companhia para se dedicar a outros projetos pessoais e de carreira. Porém, fontes do mercado entendem que a decisão está relacionada a pressões por resultados diante do avanço da concorrência. E para completar, persistem boatos sobre venda das operações.

Sua saída foi oficializada na sexta-feira, dia 2, em consenso com o conselho de administração. Atual diretor de logística do grupo, Jonas Laurindvicius assume o cargo e dará continuidade aos projetos de expansão da Drogaria São Paulo e das Drogarias Pacheco, que juntas formam a segunda maior rede do varejo farmacêutico nacional. O executivo tem mais de 20 anos de experiência no varejo, incluindo a gerência geral das Lojas Pernambucanas, onde trabalhou com Doll. Inclusive, chegou à DPSP dois meses depois do agora ex-CEO.

Em 2020, a rede teve um faturamento de R$ 11 bilhões, o que representou uma evolução de 10% em relação ao ano anterior. Mas a Raia Drogasil, primeira colocada no ranking da Abrafarma, se distanciou na dianteira, ao crescer 14,6% e superar a barreira dos R$ 20 bilhões.

Além da liderança mais distante, as Farmácias Pague Menos despontam como outra ameaça, principalmente após o anúncio da compra da Extrafarma por R$ 600 milhões. A transação, assim que aprovada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), faria a rede cearense desbancar a DPSP da segunda posição e elevaria em um terço o número de lojas.

Possibilidades de venda

Em meio a esse cenário, seguem no radar as especulações sobre a venda do Grupo DPSP para um grupo internacional. No ano passado, a rede teria mantido conversações com a Femsa, mas não houve avanço. E agora, informações de bastidores dão conta de um possível interesse das Farmácias Guadalajara, varejista mexicana com mais de 2 mil drogarias e faturamento anual em torno de US$ 4 bilhões.

No entanto, fontes comentam que as negociações com a DPSP são sempre desafiadoras pela complexidade da estrutura societária. Sentam-se à mesa quase 20 sócios. De um lado, acionistas da Drogaria São Paulo seriam mais favoráveis à venda, ao contrário dos investidores das Drogarias Pacheco.

Fonte: Redação Panorama Farmacêutico


Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente
Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação