Fique por dentro dos principais FATOS e TENDÊNCIAS que movimentam o setor

Juros devem cair a partir de 2023, dizem especialistas

Acompanhe as principais notícias do dia no nosso canal do Whatsapp

O Banco Central do Brasil reafirmou a revisão sobre a projeção da taxa de inflação para 5,8% em 2022 no Relatório Trimestral de Inflação divulgado nesta quinta-feira (29). A autoridade monetária já havia indicado o número menor na ata divulgada na véspera. No relatório anterior, divulgado em julho, o IPCA estava em 8,8% ao ano.

A queda da inflação projetada pelo BC considera o cenário de desaceleração das commodities em conjunto com os efeitos do aperto monetário da Selic no atual patamar, que é ainda mais restritivo considerando as surpresas recentes de inflação mais baixa, destaca Rafaela Vitória, economista-chefe do Inter.

‘Caso se concretize, poderemos em breve discutir a redução de juros, pois será desnecessário a manutenção de um aperto monetário tão significativo com a trajetória de inflação em queda mais acelerada’, afirmou a economista.

Já para Pedro Renault, economista do Itaú Unibanco, o relatório manteve o tom de cautela do BC sobre a situação atual, sinalizando que a entidade monetária continuará em alerta para a alta dos preços e não irá arrefecer sua abordagem a menos que o cenário seja favorável para que isso aconteça.

‘O relatório não muda a sinalização que estava na ata do Copom e no comunicado anterior, foi um documento duro no sentido de que estão vigilantes em relação à inflação, porque se necessário vão subir os juros novamente’, destacou o economista do Itaú.

‘Ele apontou na direção de que haverá taxa de juros mantida em patamar elevado por algum tempo, com toda uma simulação de que essa seja a estratégia de fato, em um território contracionista. Nossa leitura é que a Selic caia somente a partir da segunda metade do próximo ano, a partir de agosto’, acrescentou.

Esta visão também é a esperada por André Braz, coordenador de índices de preços da Fundação Getúlio Vargas (FGV), que ressaltou o nível de incerteza doméstica presente ainda este ano e no exterior com guerra e outros fatores de pressão inflacionária.

‘A pressão inflacionária por aqui ainda existe. Os índices estão negativos, mas quando olhamos para o IPCA-15, 60% dos bens e serviços ficaram mais caros, embora os outros 40%, e aí entra gasolina, alguns alimentos de cesta básica, comunicações e energia ajudaram a inflação a ficar negativa. Mas não é a maioria dos itens’, pontuou.

No entanto, o economista reforçou que as previsões estão surpreendendo nesta reta final do ano em razão de medidas do governo e um cenário externo favorável à redução dos preços, com risco de recessão global à vista atingindo commodities.

‘As projeções são incertas, para o fim do ano a inflação pode encerrar em 5,6%, bem abaixo do que todos previam no começo. Isso por conta da redução de impostos, do bom comportamento dos alimentos que começaram a ceder com safras boas, desaceleração da economia mundial e redução do preço do petróleo’, explicou.

Por fim, o economista-chefe da Órama, Alexandre Espírito Santo, também disse acreditar em uma movimentação de queda da Salic a partir do segundo semestre de 2023, mas ressaltou que a manutenção dos juros em alta por muito tempo pode fazer com que ele caia com mais intensidade ao fim deste período.

‘Não acredito que tenha que cair o juro logo, até porque se for ‘higher for longer’ dá para cair com mais intensidade, duas ou três quedas de 100 pontos e dá para encerrar o ano que vem em 10,75% ou 11,75%’, salientou.

Fonte: CNN Brasil

Notícias Relacionadas

plugins premium WordPress
error: O conteúdo está protegido !!