Fique por dentro dos principais FATOS e TENDÊNCIAS que movimentam o setor

Medicamentos para diabetes lideram vendas

Acompanhe as principais notícias do dia no nosso canal do Whatsapp

Medicamentos para diabetes lideram vendas
Foto: Canva

Os medicamentos para diabetes e obesidade lideraram as vendas da indústria farmacêutica no terceiro trimestre de 2023, considerando o mercado farmacêutico dos Estados Unidos. Depois de registrar uma queda de 11% na receita nos primeiros três meses do ano, em grande parte devida à diminuição nas vendas de anticorpos contra a Covid-19, a Eli Lilly obteve o maior ganho de receitas do setor – com 38%.

Segundo levantamento do portal Fierce Pharma, as vendas da farmacêutica foram impulsionadas pelo Mounjaro (tirzepatida), voltado ao combate do diabetes tipo 2 e que gerou US$ 1,4 bilhão apenas em seu quinto trimestre completo no mercado. O laboratório que mais rivalizou com a Lilly foi a Novo Nordisk, com aumento de 29% impulsionado pelos blockbusters Ozempic e Wegovy.

Medicamentos para diabetes atingirão US$ 102 bi até 2030

Um relatório do banco TD Cowen projeta que o mercado de medicamentos para diabetes tipo 2 e obesidade movimentará US$ 102 bilhões até 2030. E duas farmacêuticas exercerão amplo domínio neste segmento – Novo Nordisk e Lillo deverão ter, respectivamente, 52% e 44% de share. Os analistas também acreditam que a Lilly eventualmente terá uma vantagem, em função do seu composto de mecanismo duplo tirzepatida e a recém-aprovação da FDA para seu remédio contra obesidade crônica, o Zepbound.

A ascensão nas vendas do Mounjaro ofuscou o sucesso de outros produtos da Lilly. O medicamento para câncer de mama Verzenio teve incremento de 68% nas vendas e superou US$ 1 bilhão de receita no terceiro trimestre. Já o tratamento para diabetes Jardiance, utilizado também em casos de insuficiência cardíaca e doenças renais, atingiu US$ 701 milhões e avançou 22%.

Enquanto isso, a Novo Nordisk relatou vendas de US$ 3,3 bilhões por meio do Ozempic – alta de 56%. Já o Wegovy chegou a US$ 1,4 bilhão. Juntos, os dois fármacos responderam por 56% do faturamento do laboratório dinamarquês.

Notícias Relacionadas

plugins premium WordPress
error: O conteúdo está protegido !!