fbpx

Pimenta pode ajudar a emagrecer e aumentar libido; conheça os benefícios

Além de dar aquele sabor picante que combina com diversos pratos, a pimenta pode ser um ótimo aliado para o organismo. Existem diferentes tipos deste alimento no mercado, dos mais suaves aos mais ardidos, mas todos possuem propriedades que podem fazer muito bem à saúde e até proporcionar sensações de prazer.

Grande parte dos benefícios da pimenta se devem a um composto químico chamado capsaicina – também é ele o responsável pela sensação de picância. De acordo com a nutricionista Luanna Caramalac, este componente é capaz de produzir diversas ações no organismo. Confira:

Siga nosso Instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/

Melhora na respiração: a capsaicina tem propriedades que ajudam muito no combate à congestão nasal, por ser naturalmente expectorante. Também pode ajudar no tratamento de tosses e até de rinite.

Antioxidante e antiinflamatória: por essas duas propriedades, a pimenta pode colaborar para melhorar muito o funcionamento do corpo, a saúde dos órgãos e da pele. Por ser antioxidante pode prevenir a ação de radicais livres no corpo e, consequentemente, prevenir contra a formação de tumores. “Quanto mais forte o sabor da pimenta, com certeza maior é a concentração da capsaicina, que está presente nas sementes e nas nervuras da casca da pimenta”, destaca a nutricionista.

Analgésica e imunidade: a capsaicina também é um analgésico natural e pode ajudar no alívio de dores. Além disso, auxilia a manter o organismo com boa imunidade.

Termogênica: as pimentas são alimentos termogênicos, o que significa que ajudam a acelerar o metabolismo. Uma consequência direta disso é uma facilidade maior para a perda de peso.

Aumenta a libido: não é apenas uma lenda – consumir pimenta provoca a liberação de hormônios no cérebro que dão sensação de prazer e bem estar. “Principalmente a serotonina e a dopamina, que está muito ligada com a libido”, explica Luanna.

Apesar de todos os benefícios, o consumo de pimenta deve ser feito com cautela. Pessoas que tem problemas de estômago, como gastrite, devem evitar este alimento, que pode piorar suas condições. Em todos os casos, vale a pena consultar um nutricionista para definir a quantidade de pimenta adequada para o consumo.

“E dê preferência a pimentas caseiras, que não possuem glutamato monossódico. Ele é um realçador de sabor presente em muitos molhos de pimenta industrializados, bem como corantes, açúcares disfarçados. O ideal é que a pimenta seja consumida em sua forma in natura ou que seja feito um preparo caseiro, com temperos naturais, pra que se obtenha as propriedades da pimenta em si”, ensina a profissional.

Fonte: Yahoo

Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente O Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!
Notícias relacionadas

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

viagra online buy viagra