fbpx
O maior canal de informação do setor

Teto de preços para medicamentos em falta será suspenso

587

Teto de preços para medicamentos

Para suprir a falta de remédios, o governo federal decidiu autorizar a suspensão do teto de preços para medicamentos. A decisão vale para as compras feitas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e também para o setor privado. As informações são da Folha de S. Paulo.

Segundo a indústria, houve uma alta nos custos de produção, o que levou a um preço de venda superior ao teto. Exemplos de medicamentos afetados são a dipirona injetável e a imunoglobulina humana.

A medida é temporária, até o fim do ano. O martelo para a suspenção foi batido na última segunda-feira, dia 9, em reunião do conselho de ministros da Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED).

A relação de medicamentos afetados pela medida ainda será divulgada. Os já citados dipirona injetável e a imunoglobulina humana devem fazer parte da lista.

O Comitê Técnico Executivo (CTE) da CMED irá avaliar a situação dos medicamentos e, se novos casos de desabastecimento sejam identificados, a lista será atualizada. Se o abastecimento de determinado fármaco voltar ao normal, ele sairá da relação.

O órgão também se manterá atento para identificar possíveis abusos de preço. As farmacêuticas e distribuidoras terão que compartilhar relatórios das vendas e explicar o porquê aquele medicamento está em falta.

Suspensão do teto de preços para medicamentos foi ideia do Ministério da Economia

A decisão pela suspensão do teto de preços de medicamentos partiu do Ministério da Economia. Segundo a pasta, os produtores não conseguem comercializar os remédios pois o limite não condiz mais com a realidade dos gastos.

Especialistas discordam da decisão

Para Ana Carolina Navarrete, advogada e coordenadora do programa de Saúde do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), a medida não é uma solução para o problema.

“Não há sentido em apagar o incêndio com medidas pontuais. O que deveria ser feito é uma discussão madura para modernizar a regulação dos preços”, comenta.

Política de precificação pode mudar

Fora as medidas emergenciais, a CMED também estuda alguns cenários para modificar o teto de preços para medicamentos comercializado nas farmácias. Uma das ideias seria abolir o aumento anual e permitir flutuações (tanto para cima, quanto apara baixo) sem uma periodicidade específica.

Outra hipótese estudada seria retirar o limite de preço dos medicamentos com baixa concentração de mercado. Ana Carolina aponta que modificar a política “abre precedente perigoso”.

Fonte: Redação Panorama Farmacêutico

Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente O Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!
Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação