Fique por dentro dos principais FATOS e TENDÊNCIAS que movimentam o setor

Alergia infantil, tudo o que você precisa saber

Acompanhe as principais notícias do dia no nosso canal do Whatsapp

alergia
foto: freepik

A experiência de uma pessoa adulta com alergia já é bastante desafiadora. Então é fácil imaginar o desconforto que a doença pode causar em crianças. Muitas vezes, os pequenos têm problemas para expressar o que estão sentindo e para buscar ajuda, o que dificulta o diagnóstico.

É crucial entender as causas e seus gatilhos, especialmente porque o número de casos é significativo. De acordo com a Associação Brasileira de Alergia e Alergologia (ASBAI), 20% das crianças e adolescentes são asmáticos, enquanto 12,5% dos pequenos e 20% dos jovens entre 13 e 14 anos têm rinite.

A entidade também observa que não há estatísticas oficiais sobre alergias alimentares no país, mas um estudo realizado por gastroenterologistas pediátricos identificou a reação à proteína do leite de vaca como a mais comum, afetando 2,2% da população infantil.

Sintomas e causas da alergia

A alergia pode se apresentar de várias maneiras, desde problemas respiratórios como rinite e asma até reações cutâneas como urticária e dermatite atópica. Os sintomas podem incluir congestão nasal, espirros, tosse, erupções cutâneas, coceira intensa e dificuldade respiratória, dependendo do tipo de substância envolvida e da sensibilidade da criança.

Essas enfermidades são frequentemente desencadeadas por exposição a alérgenos como ácaros, pólen, alimentos específicos, pelos de animais e compostos químicos. Fatores genéticos desempenham um papel importante, assim como condições ambientais e infecções virais.

Identificar os desencadeadores específicos e implementar medidas preventivas pode ajudar a gerenciar os sintomas e melhorar a qualidade de vida das crianças alérgicas.

Diferença entre rinite e urticária

A rinite e a urticária são problemas distintos que podem afetar as crianças, apresentando características e sintomas diferentes:

Rinite – Geralmente é desencadeada pela exposição a alérgenos como ácaros, pólen, mofo, pelos de animais, poluição do ar, entre outros. Ocorre, principalmente, nos tratos respiratórios superiores, afetando o nariz e a garganta. Tem como sintomas a congestão nasal; coriza; espirros frequentes; coceira no nariz, olhos, garganta e ouvidos; e tosse seca.

Urticária – Pode ser desencadeada por reações alérgicas a alimentos, medicamentos, picadas de insetos, substâncias químicas, fatores físicos e emocionais. A doença manifesta-se na pele, resultando em erupções cutâneas e inchaço localizado. Entre os sintomas estão erupções cutâneas vermelhas e elevadas (urticária), inchaço da pele (angioedema) e coceira intensa.

Embora ambas sejam condições alérgicas, a rinite tende a afetar predominantemente o sistema respiratório, enquanto a urticária manifesta-se na pele. O tratamento para cada uma pode variar de acordo com os sintomas e a gravidade do problema, e é importante consultar um médico para um diagnóstico preciso e um plano de tratamento adequado.

Medidas para aliviar os sintomas

Para reduzir os sintomas da rinite alérgica em crianças, é fundamental adotar medidas de prevenção e controle. Manter o ambiente limpo e bem ventilado é essencial. O uso de umidificadores pode ajudar a aliviar o ressecamento nasal, e é recomendável fazer a lavagem do nariz da criança regularmente como parte da rotina de cuidados.

Tratamento  

O tratamento para rinite e urticária infantil pode variar dependendo dos sintomas apresentados pela criança e da gravidade da condição. Aqui estão algumas abordagens mais comuns:

Rinite infantil:

  1. Medicamentos: Antialérgicos orais, como anti-histamínicos, podem ajudar a aliviar os sintomas de coceira, espirros e coriza. Corticosteroides nasais podem ser prescritos para reduzir a inflamação nasal e a congestão.
  2. Medidas de controle: Reduzir a exposição a alérgenos, como ácaros, pólen e pelos de animais, pode ajudar a diminuir os sintomas. Isso pode incluir o uso de capas antialérgicas em travesseiros e colchões, a manutenção de um ambiente livre de mofo e a eliminação de possíveis irritantes no ar.
  3. Imunoterapia: Em casos mais graves ou persistentes, a imunoterapia alergênica, também conhecida como “vacina de alergia”, pode ser recomendada. Este tratamento envolve a administração controlada de doses crescentes do alérgeno específico para ajudar a reduzir a sensibilidade ao longo do tempo.

Tratamento da urticária infantil:

  1. Anti-histamínicos: Medicamentos antialérgicos, como anti-histamínicos orais, podem ajudar a reduzir a coceira e a inflamação associadas à urticária.
  2. Corticosteroides tópicos: Para casos de urticária mais graves ou persistentes, corticosteroides tópicos, como cremes ou loções, podem ser prescritos para ajudar a reduzir a inflamação e o inchaço da pele.
  3. Evitar desencadeadores: Identificar e evitar os desencadeadores conhecidos da urticária, como alimentos específicos, medicamentos ou substâncias químicas, pode ajudar a prevenir episódios recorrentes.

Uma boa dica para auxiliar nos sintomas, por exemplo, é o cloridrato de fexofenadina pediátrico, um medicamento antialérgico que age promovendo 12 horas de alívio, sem causar sonolência, combatendo os sintomas causados pela rinite e urticária.

Caso os sintomas persistam ou não melhorem com a medicação, é recomendável buscar orientação de um profissional de saúde para reavaliar o quadro. Se houver dificuldade severa para respirar, é aconselhável procurar assistência médica de urgência.

Este conteúdo é meramente informativo e não substitui a consulta médica. Para esclarecimento de dúvidas adicionais sobre uma patologia, medicamento ou tratamento, converse com um profissional de saúde de sua confiança. Evite sempre a automedicação.

Notícias Relacionadas

plugins premium WordPress