fbpx
O maior canal de informação do setor

Automedicação pode causar dependência química e dificuldade em diagnósticos

O brasileiro tem o hábito de ir às farmácias para se automedicar contra dor de cabeça, febre, gripe, entre outras doenças. Conforme dados do Conselho Federal de Farmácia, 77% da população se automedica e quase metade costuma tomar remédio sem receita médica pelo menos uma vez ao mês.

De acordo com o médico patologista Rafael Ximenes, além de se automedicar, os brasileiros têm o hábito de ainda indicar ou sugerir medicações a familiares, amigos, vizinhos. ‘O uso de um medicamento sem prescrição médica traz riscos. Primeiro um efeito colateral, que poderia ser evitado caso o médico tivesse avaliado esse paciente. Segundo, também importante, é que com um tratamento inadequado o paciente pode deixar de ter o diagnóstico de uma doença importante que precisava ser iniciado’, explicou.

Rafael Ximenes também alertou sobre o risco de dependência química de certos medicamentos no caso em que o paciente abusa da automedicação, sem consultar um médico e ter uma receita. ‘Existem alguns tipos de medicamentos que têm o potencial de gerar dependência. Normalmente a venda é só sob prescrição médica e isso minimiza os riscos de uma automedicação. Mas isso acontece principalmente com remédios para dor, alguns para insônia’, reforçou.

Fonte: Sagres Online  

Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente O Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!
Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

viagra online buy viagra