O maior canal de informação do setor

EUA: Nova Jersey proíbe a venda de cosméticos testados em animais

101

A oferta de produtos cosméticos testados em animais será proibida em Nova Jersey no começo do ano que vem.

Veja também: Internet é o ‘novo prime time’ brasileiro, com 55% da verba publicitária

De acordo com uma nova lei assinada pelo Governador Phil Murphy na semana passada, nenhum item de cosmético testado em animais, independentemente do teste ter sido realizado dentro ou fora do estado, poderá ser vendido em Nova Jersey a partir de março de 2022.

Siga nosso Instagram

Recentemente, Nova Jersey proibiu testes no estado, conforme indicado pelo site NJ.com.

O decreto estava entre as dezenas de outros que o governador Murphy endossou, e passou de maneira unânime no Senado e na Assembleia do estado, com apoio bipartidário.

Algumas organizações, incluindo a Lush, a The Herbs e a Bees, e o US Organic Group, também defenderam a lei.

A partir do dia 1º de março de 2022, a oferta de produtos cosméticos testados em animais será proibida, com algumas exceções, como no caso do ‘teste em animais ser exigido por uma autoridade regulatória federal ou estadual’ ou quando o ‘ingrediente que exige o teste em animais for amplamente usado e não puder ser substituído por outro ingrediente’, segundo a legislação.

Os infratores poderão pagar multa de até USD 1,000 por cada delito.

Nova Jersey passará a ser o oitavo estado a aprovar tal lei, após a Califórnia, Nevada, Illinois, Virginia, Maryland, Maine e Hawaii.

Terça-feira, em uma declaração, Vicki Katrianak, diretora de pesquisas e testes em animais da Humane Society dos Estados Unidos (HSUS), aplaudiu a ação de Nova Jersey.

‘Na aprovação desta lei, Nova Jersey reconheceu a grande opinião pública de que os animais não devem sofrer para testar cosméticos ou ingredientes’, disse Katrinak’.

Com um crescente número de métodos disponíveis que não fazem testes em animais, não há justificativa ética para continuar prejudicando os animais em prol de xampus, máscaras ou pós-barbas’.

Katrinak continuou ao agradecer os principais patrocinadores da legislação, o Senador Joseph Lagana e o Deputado Anthony Verrelli ‘por sua liderança neste projeto de lei e o Governador Murphy por assinar esta importante legislação bipartidária’.

Produtos de beleza puros e livres de crueldade (cruelty-free) têm experimentado uma explosão nos últimos anos, e a venda de produtos livres de crueldade deve continuar a crescer na próxima década, de acordo com a empresa de pesquisa de mercado Fact.MR.

Fonte: Olhar Animal

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação