Fique por dentro dos principais FATOS e TENDÊNCIAS que movimentam o setor

ABIHPEC pede fim dos impostos sobre repelentes

Acompanhe as principais notícias do dia no nosso canal do Whatsapp

Impostos sobre repelentes
Foto: Freepik

O fim dos impostos sobre repelentes é pauta de uma reinvindicação da Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (ABIHPEC). Para a entidade, o barateamento dos produtos democratizará seu acesso e contribuirá no combate à dengue.

Entre impostos federais e estaduais, a carga tributária que incide sobre os repelentes é, atualmente, de 30%. Na proposta da associação, foi solicitada a eliminação do PIS/COFINS e também a desoneração do ICMS em todos os estados brasileiros e no Distrito Federal.

Em sua visão, a desoneração deve ser imediata, para ampliar os possíveis benefícios dessa ação.

Fim dos impostos sobre repelentes traria impacto para a saúde pública 

Outro ponto destacado pela ABIHPEC é que, com os repelentes se tornando um produto mais acessível, menos pessoas se contaminariam pela dengue, o que diminuiria o peso sobre o SUS com um número menor de novos casos.

Além disso, com uma carga tributária menor, mais empresas se interessariam em entrar no mercado produtivo do item, aumentando sua oferta para o público final.

Possível desabastecimento assombra o mercado 

Aliás, oferecer uma gama maior de repelentes para os consumidores é o desejo do mercado farmacêutico que, por sua vez, teme o fantasma do desabastecimento.

No fim da primeira quinzena de março, a própria ABIHPEC enviou uma nota à reportagem da Exame confirmando que a demanda enfrentada no período havia superado as expectativas do setor.

Para garantir que o impacto da alta demanda fosse menor, plantas produtivas ampliaram seus turnos de trabalho e os fabricantes adiantaram compras de insumos e matéria-prima.

Notícias Relacionadas

plugins premium WordPress