fbpx

Dependência externa de insumos é o principal motivo pela falta de medicamentos no país, diz Associação

O Brasil passa por uma fase de desabastecimento de remédios em diversas regiões. A falta de medicamentos tem afetado não só farmácias, mas hospitais e unidades públicas de saúde na maioria das cidades do País.

O desabastecimento se dá, principalmente, pela ausência de matéria-prima para compor as substâncias, o IFA (Insumo Farmacêutico Ativo).

Para compreendermos como está a situação atual de oferta de medicamentos no país, a Rádio CBN São José dos Campos e Vale entrevistou nesta quarta-feira (8) Norberto Prestes, Presidente da ABIQUIFI (Associação Brasileira da Indústria de Produtos Farmacêuticos).

Norberto apontou que o Brasil vive hoje uma super dependência externa de insumos farmacêuticos, já que o país importa 95% de todo IFA utilizado na produção nacional de medicamentos.

Sendo assim, qualquer acontecimento que ocorra internacionalmente, impacta diretamente em nossa cadeia produtiva, como por exemplo a guerra na Ucrânia e o lockdown em cidades importantes da China, como em Shangai, o que têm prejudicado a importação de insumos farmacêuticos ativos (IFAs).

O aumento do dólar, do combustível e da energia, que elevaram o preço da matéria-prima, também impactam no fornecimento desses remédios.

Ações imediatas contra a falta de medicamentos

Para ajudar a estancar a falta de medicamentos no país, o representante da ABIQUIFI antecipou para a Rádio CBN, que nesta quarta-feira (8) será assinado um acordo com representantes da a Associação de Insumos Farmacêuticos da Argentina, no evento da FCE Pharma, feira farmacêutica que acontece na cidade de São Paulo, entre os dias 7 e 9 de junho.

Segundo análise preliminar da ABIQUIFI, dos 500 IFAs que Brasil e Argentina produzem, apenas 20 deles são feitos de maneira comum, ou seja, que os dois países produzem. Já para os demais produtos, há a expectativa de troca de tecnologias e a produção sendo executada em parceria industrial.

Um dos casos de maior atenção é na produção de antibióticos, que de acordo com Norberto, não existem fábricas instaladas no Brasil para a produção desses medicamentos.

Ainda, segundo o executivo, é importante que o Brasil obtenha soberania para a nacionalização de medicamentos, a exemplo dos Estados Unidos, que devido as mudanças geopolíticas recentes, estão nacionalizando 180 insumos farmacêuticos, para se livrarem da dependência de produção externa.

O que o consumidor pode fazer ao perceber a falta de medicamentos nas farmácias?

Para evitar surpresas desagradáveis na hora de comprar um medicamento nas farmácias, o presidente da ABIQUIFI recomenda que o consumidor pergunte para seu médico qual o substituto para aquele medicamento que ele comumente utiliza, e indique dois ou três opções diferentes de compra.

Além disso, as secretarias estaduais de saúde estão fazendo o monitoramento sobre a falta de medicamentos em cada unidade federativa, bem como o Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (CONASEMS), que possui uma relação das secretarias que apontam os medicamentos que estão em falta em naquele momento, em cada localidade.

Já o Conselho Municipal de Secretários de Saúde de São Paulo (Cosems/SP), apontou o atual cenário, listando mais de 40 substâncias escassas nas prateleiras. A maioria é de medicamentos considerados simples, mas de suma importância para o funcionamento do serviço público, como dipirona, cetoprofeno e até soro fisiológico.

Fonte: CBN Vale

Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente O Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!
Notícias relacionadas

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

viagra online buy viagra