O maior canal de informação do setor

Farmacêuticas têm de serializar medicamentos até abril

140

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) criou o Sistema Nacional de Controle de Medicamentos (SNCM) com o objetivo de acompanhar a circulação dos produtos farmacêuticos em toda a cadeia produtiva, desde a fabricação até o consumo pela população. Várias empresas estão realizando testes, validação e implantação da rastreabilidade de seus medicamentos no Brasil e o prazo para que todas estejam adequadas termina em 28 de abril de 2022.

Veja também: Relator no STF vota por validar lei que permite venda de remédios para emagrecer

Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o rastreamento será realizado por meio de tecnologia de captura, armazenamento e transmissão eletrônica de dados, nos produtos farmacêuticos em todo o território nacional. Os códigos de barras bidimensionais são a tecnologia determinada para a captura e o armazenamento de instâncias de eventos necessários ao rastreamento de medicamentos.

Siga nossa Instagram

Assista à entrevista na íntera no IoP Journal TV, no Youtube

A rastreabilidade realizada pelo SNCM promete trazer benefícios significativos, na opinião de Ricardo Verza Amaral Melo, executivo da GS1 para Engajamento da Indústria. O sistema oferecerá uma maior segurança para pacientes e profissionais em relação aos medicamentos utilizados e, também, um maior controle de produção e de logística, além de facilidades de fluxos e manutenção de padrões regulatórios de conformidade.

Em entrevista ao IoP Journal, Melo apontou quais são os impactos no modelo de negócios, nos processos e sistemas atuais e quais mudanças precisarão ser feitas; como garantir que todas as áreas das empresas e todos os participantes da cadeia de valor – fabricante, operador logístico, distribuidor e dispensadores – estejam prontos para a implantação; quais são os investimentos necessários para o sucesso da implantação; e quais novos controles serão necessários para garantir a conformidade com a regulamentação, especialmente na integração com a Anvisa.

Entre os benefícios da mudança, estão o fortalecimento das marcas, o entendimento dos hábitos do consumidor, uma melhor gestão de estoques, benefícios ambientais, além de mais qualidade e segurança.

Fonte: IOP JOURNAL

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação