fbpx
O maior canal de informação do setor

Júri dos EUA considera empresa farmacêutica israelense culpada por alimentar a crise mortal de opióides

214

Uma empresa farmacêutica multinacional israelense foi considerada culpada por um júri americano de alimentar a crise mortal das drogas em Nova York. Uma ação movida pelo procurador-geral do estado em 2019 acusou a Teva e outras empresas de comercializar agressivamente analgésicos em todo o estado, sem fazer nada para minimizar o vício.

 

O processo acusou a Teva e suas subsidiárias de minimizar o risco da dependência de drogas, comercializar opioides para usos não aprovados e não cumprir as salvaguardas internas que visam evitar que as drogas inundem o mercado. O processo também acusou as empresas farmacêuticas de violar seus deveres legais “para lucrar com a praga que sabiam que seria desencadeada”, referindo-se à pandemia do coronavírus.

 

No veredicto de ontem, uma declaração do procurador-geral do estado de Nova York disse que o júri considerou a empresa e suas afiliadas responsáveis ​​por “morte e destruição” nos Estados Unidos, informou a BBC. A empresa farmacêutica israelense foi acusada de ter desempenhado um papel no que é legalmente denominado um incômodo público, mas as consequências letais da epidemia de drogas estão relacionadas a mais de 500 mil mortes nos Estados Unidos nas últimas duas décadas.

A Teva Pharmaceuticals foi acusada de enganar o povo americano sobre os verdadeiros perigos dos opióides, disse o procurador-geral.

 

O júri de seis membros foi solicitado a determinar se as empresas tiveram um papel na perpetuação da crise dos opioides em Nova York. O julgamento foi realizado em Long Island, onde, de acordo com o New York Times, entre 2010 e 2018, a taxa de mortes por overdose envolvendo qualquer opióide mais do que dobrou. Em 2019, as mortes por overdose de opióides subiram para mais de 1.600 no condado de Nassau e subiram para mais de 3.000 no condado de Suffolk, de acordo com dados dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças.

 

O valor que a Teva e suas empresas terão que pagar ainda não está claro. “Embora nenhuma quantia em dinheiro possa compensar o sofrimento humano, o vício ou as vidas perdidas devido ao abuso de opiáceos, iremos imediatamente avançar com um julgamento para determinar quanto Teva e outros irão pagar”, Letitia James, o procurador-geral do estado, disse em um comunicado.

 

O dinheiro dos assentamentos deve ser distribuído para comunidades atingidas pela epidemia de opioides para uso em programas de prevenção e tratamento de dependência química. Se certas condições forem atendidas, o valor combinado pode chegar a US $ 1,5 bilhão. A Teva disse ontem que vai apelar do veredicto.

 

Fonte: Portal Monitor do Oriente

Leia também: https://panoramafarmaceutico.com.br/os-lancamentos-que-movimentaram-as-farmacias-em-2021/

Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente O Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!
Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação