Fique por dentro dos principais FATOS e TENDÊNCIAS que movimentam o setor

Varejo articula mudanças no Farmácia Popular

Acompanhe as principais notícias do dia no nosso canal do Whatsapp

Farmácia Popular

As grandes redes do varejo articulam mudanças no Farmácia Popular para trazer mais segurança ao programa. O objetivo seria dar perenidade à iniciativa, tornando-a uma política de estado, assim como o Bolsa-Família. As informações são da Folha de S. Paulo.

Na tarde da última terça-feira, dia 30, a Abrafarma apresentou sua agenda legislativa e um dos principais eixos das propostas da entidade envolve o programa. No início do mês, o presidente Lula declarou publicamente o objetivo do governo de fortalecer o Farmácia Popular.

Apesar da promessa, o Ministério da Saúde ainda não apresentou um projeto para fortalecer o Farmácia Popular.

Farmácia Popular como política de estado soluciona financiamento

Na opinião da entidade, tornar o programa uma política de estado seria uma forma de solucionar a carência orçamentária que a iniciativa sofre. Nos últimos governos, os fundos destinados a ele foram registrando sequencias de redução, que quase inviabilizaram sua manutenção.

Outro ponto indicado pela Abrafarma para o fortalecimento do programa é a inclusão de testes rápidos, vacinas e outros serviços de saúde dentre as coberturas da iniciativa, o que democratizaria o acesso da população a eles.

Acesso à Farmácia Popular é desigual

Com o objetivo de fortalecer o programa, o Tribunal de Contas da União apresentou um relatório com sugestões para a iniciativa e apontou uma distribuição desigual de PDVs.

De acordo com o documento, os pontos de atendimento estão mais concentrados nas regiões Centro-Oeste, Sul e Sudeste, em detrimento das regiões Norte e Nordeste.

Além disso, o TCU também apontou uma “gestão frágil”, passível de fraudes e desvios.

Agenda legislativa aponta necessidades do setor

O fortalecimento do Farmácia Popular foi uma das principais requisições apresentadas pela Abrafarma para as autoridades presentes na apresentação de sua agenda legislativa. Mas não foi a única.

A entidade busca fortalecer as farmácias como polos de saúde e atenção primária.

“A pandemia deu ainda mais vazão à importância das grandes redes de farmácias, que estão nas 1.200 maiores cidades do Brasil, executam mais de 1 bilhão de atendimentos por ano e ministraram 20 milhões de testes da Covid-19, por meio da atuação de 30,8 mil farmacêuticos. Temos capilaridade e qualificação para mudar a realidade de acesso à saúde no país”, acredita Sergio Mena Barreto, CEO da associação.

Dentre as requisições estão o fortalecimento da indústria de IFAs em solo nacional, a manutenção do reajuste anual de medicamentos, uma alíquota própria para o setor na reforma tributária, entre outras medidas, que você pode conferir na matéria completa sobre o tema.

Notícias mais lidas

Notícias Relacionadas

plugins premium WordPress