O maior canal de informação do setor

Dólar sobe, risco-país desce e PIB anda de lado em 1.000 dias de Bolsonaro

195

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) chega ao milésimo dia de governo neste domingo (26.set.2021). Alguns dos principais indicadores econômicos estão hoje piores do que estavam quando Bolsonaro assumiu a Presidência -sob a influência direta da pandemia. O Poder360 comparou os últimos dados disponíveis na atual gestão e os números do fim do mandato do ex-presidente Michel Temer, do MDB.

Se, por um lado, o Ibovespa, principal índice da B3 (Bolsa de Valores de São Paulo), seguiu os índices globais e subiu com Bolsonaro no comando, por outro, indicadores que deveriam permanecer mais baixos dispararam.

É o caso da inflação. Em dezembro de 2018, no fim do governo Temer, o IPCA (Índice Nacional de Preços do Consumidor Amplo) marcava 3,75% no acumulado de 12 meses. Em setembro de 2021, no governo Bolsonaro, a taxa acelerou e alcançou 9,68%.

O dólar também seguiu o ritmo crescente. Em 31 de dezembro de 2018, a moeda estava cotada a R$ 3,88. Já no fechamento do mercado em 24 de setembro de 2021, na última 6ª feira, a moeda bateu R$ 5,34.

Eis o comparativo de como está a economia depois de 1.000 dias de governo Bolsonaro em relação aos últimos dias do governo Michel Temer:

O ex-secretário do Tesouro Carlos Kawall e o especialista em contas públicas da Tendências Consultoria Fabio Klein analisaram, em entrevista, a evolução dos indicadores caso a caso. Leia os destaques do que eles disseram:

PIB

Kawall – ‘Neste ano, a gente provavelmente volta ao PIB prévio da pandemia. O PIB hoje é inferior ao que tínhamos no pré-pandemia. É um crescimento acumulado muito baixo. A comparação fica prejudicada pela pandemia. A gente não tem uma boa régua para comparar desempenhos econômicos prévios da pandemia com os da pandemia’;

Klein – ‘Desde o Temer, a economia tem característica de ser menos puxada pelo setor público e muito mais pelo setor privado. E 2020 foi marcado pela crise da pandemia (?) mesmo assim, o Brasil foi o que teve a menor queda, e parte disso tem a ver com a política de combate à pandemia, tanto fiscal quanto creditícia’.

Taxa de desemprego

Kawall – ‘Mercado de trabalho está bem pior do que estava no final de 2018. A característica dessa crise é que o PIB até vai voltar, no final do ano ou início do ano que vem, ao nível prévio. Mas o emprego não. A crise pega muito fortemente o setor de serviços, que é muito empregador. Vai demorar mais para se recuperar, e o setor de bens que explodiu na pandemia é menos empregador. Essa volta do PIB com uma composição diferente, e desfavorável aos serviços, é destruidora de empregos’;

Klein – ‘Não estamos conseguindo sair do patamar de 14%, tornando difícil um mercado de trabalho mais robusto. Tivemos medidas do Temer que tentaram avançar, como a reforma trabalhista, e também algumas tentativas de Bolsonaro que não vingaram, como a carteira verde e amarela. Ainda que tenham tido alguma tentativa, nada vingou. A medida mais concreta foi a desoneração da folha’.

Inflação

Kawall – ‘O cenário é claramente pior. Em 2019, 2020 e 2021 tivemos uma inflação muito maior do que em 2016, 2017 e 2018, que foram anos de inflação na média baixa. Esse foi um destaque do governo Temer, que não teve um crescimento muito expressivo, mas por outro lado a gente passou a ter uma taxa de juros muito mais baixa, uma inflação mais baixa. Em 2021 a gente caminha para uma inflação de 8,7%, mas já acumulou no ano uma taxa inflacionária muito alta, acima dos anos anteriores. Afeta a população de baixa renda e leva o Banco Central a ter que subir os juros’;

Klein – ‘A inflação que acontece no Brasil acontece no mundo inteiro, mas no Brasil está um pouco mais intenso. Aqui, começou a dar sinais de crescimento em meados do 2º semestre de 2020. Vinha caindo e, a partir daí, começa a subir de novo’;

Dólar

Kawall – ‘Você praticar juros estruturalmente mais baixo é um processo que veio do governo Temer e se consolidou até esse momento no governo Bolsonaro. Com juro estrutural mais baixo, a sua moeda tende a ser mais baixa. O lado vicioso é o dólar subir por conta do aumento do risco fiscal, e aí tem esse flerte com o populismo fiscal. No momento do ano em que o risco político foi menor, no 2º trimestre, nós tivemos um dólar recuando para baixo de 5. Então isso é o que seria de se esperar se não houvesse um risco político em elevação’

Klein – ‘O nosso câmbio depreciou mais que o de outros pares. As características do Brasil mostram que não estamos resolvendo alguns problemas, que têm a ver com a política. Têm a ver com o fato de que – do ponto de vista do investidor estrangeiro – se a economia cresce pouco, com taxa de juros baixa e fraca, ainda com riscos estruturais e políticos, o risco-retorno do Brasil não fica tão vantajoso’.

O presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes (à esquerda), durante posse do novo presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto (à direita), em fevereiro de 2019 Marcos Corrêa/PR – 28.fev.2019

Juros

Kawall – ‘Os juros vão ter que subir para níveis maiores do que os que o governo Temer entregou. É inevitável que essa história negativa no campo da inflação e do juro também afete a oferta de crédito’;

Klein – ‘O Banco Central vinha numa política flexível. Mas a inflação ganhou força e agora estamos correndo atrás do prejuízo. O IPCA-15 só confirmou que temos que aumentar juros mesmo. Demanda reprimida, reação da atividade econômica, mas mercado de trabalho e economia abaixo do potencial de crescimento’.

Dívida pública

Kawall – ‘Em 2019 houve o 1º recuo da relação dívida/PIB desde o governo Dilma, quando a gente teve a explosão da dívida. Veio a pandemia e ela sobe mais, mas no final de 2021, a expectativa é que ela vá se situar em 82% do PIB. Um nível que é 5 ou 6 pontos percentuais do PIB acima do pré-pandemia, o que é extremamente surpreendente, dado os deficits que tivemos em 2020’;

Klein – ‘Em 2020, explodiu. Se prioridade número 1 é abaixar a curva de contágio, no Brasil, a número 2 é baixar a curva da dívida. Já era elevada, está mais ainda. Combinada com inflação, juros, câmbio, o serviço da dívida será mais pesado. Por enquanto, não estamos vendo sinais animadores em termos de reformas fiscais novas. Pelo contrário, flexibilização de regras, o que não gera segurança’.

Produção de veículos

Kawall – ‘A gente tem uma situação muito anômala porque não tem nem oferta suficiente para atender a demanda, por conta da cadeia de suprimentos. Num 1º momento isso não é um problema. Mas será assim que essa cadeia se normalizar’;

Klein – ‘O que estava sendo positivo para o consumo de bens duráveis, com taxa de juros baixa e crédito, agora está saindo do radar. Perspectiva para 2022 tem sido cada vez pior. Esses fatores pioram a perspectiva de crescimento’.

Saldo da balança

Kawall – ‘Evolução é positiva. Em 2019, a gente estava com um deficit externo bastante elevado, aí vem pandemia, alta de preço de commodities e hoje estamos com deficit em conta corrente inferior a 1% do PIB. Houve um progresso, as contas externas estão muito boas’;

Klein – ‘A balança comercial está se valendo muito da questão das commodities, do superciclo de commodities. Isso ajudou muito a balança’.

Litro da gasolina e botijão de gás

Kawall – ‘É um preço político em quase todos os lugares do mundo, especialmente quando você tem o suprimento por empresa estatal. O grande problema é o dólar. O preço lá fora subir e descer é natural. Mas, normalmente quando os preços sobem, as moedas emergentes desvalorizam. Então há um contraponto que não está acontecendo dessa vez por conta, em grande medida, desse componente de risco. Há uma questão de alta do custo energético que é global. Está afetando muito a Europa, preço de gás natural subindo, custo de energia subido muito. Inclusive alguns governos estão subsidiando o custo da energia na Europa’.

Klein – ‘Com a mudança de administração na Petrobras e a tentação de interferir nos preços, como na redução de PIS/Cofins, há a característica de intervenção politica e estatal numa empresa que é S.A. Se tem ação na Bolsa, esse movimento não ajuda. Está tendo problema de alta de preço. Mas tem um componente externo importante: o câmbio. E o câmbio reflete a política. Então, o tiro pode acabar saindo pela culatra. Com o governo pressionado, movimentos populistas afastam a responsabilidade fiscal’.

BOLSONARO: ‘ECONOMIA NÃO VAI PARAR’

Em uma de suas mais recentes declarações, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse que a economia brasileira ‘não pode e não vai parar’. Deu a declaração em 18 de setembro, em Brasília. O chefe do Executivo acrescentou que a equipe de ministros vai ‘muito bem’ e fez uma analogia com o futebol para descartar uma troca de ‘técnico’.

‘Nossa economia não pode e não vai parar. [Quero] dizer a vocês, a gente faz analogia com futebol, quando um time não está indo bem, a gente pensa logo em trocar o técnico. O meu time está indo muito bem’, declarou.

Fonte: Poder 360

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/pib-deve-crescer-05-em-2022-com-inflacao-juros-e-dolar-mais-altos/

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação