O maior canal de informação do setor

Sindusfarma prevê alta de 18% nos preços de remédios com mudança no IR

159

O Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos (Sindusfarma) prevê alta de 12% no preço de mais de 18 mil produtos farmacêuticos comercializados a consumidores. O reajuste deve ser implementado em decorrência das alterações no Imposto de Renda aprovadas pela Câmara dos Deputados na noite desta quarta-feira (1). Esse aumento pode chegar a 18%, no caso do SUS.

Veja também: Varejo independente amplia receita com serviços clínicos

Entre as mudanças, está a cobrança do tributo sobre lucros e dividendos distribuídos pelas empresas a acionistas, a diminuição do Imposto de Renda das empresas e o cancelamento de alguns benefícios fiscais – como o fim de isenções do PIS-Cofins dos medicamentos.

Siga nosso Instagram

Nesta quinta-feira (2), serão votados os destaques da matéria. Todas as medidas têm efeito a partir de 1º de janeiro de 2022.

Em nota, o Sindusfarma ressaltou que o Sistema Único de Saúde (SUS) também será impactado em mais de 18%, em média, pela cobrança de ICMS. Isso porque alguns convênios vinculam a isenção de ICMS ao benefício federal de isenção do PIS-Cofins.

‘A lista de substâncias isentas de PIS-Cofins contempla medicamentos de uso contínuo para o tratamento de doenças de larga incidência, como câncer, hipertensão, aids, doenças cardíacas e diabetes, além de antibióticos, anti-inflamatórios e medicamentos contra hepatite, alergias, próstata, artrite etc.’, exemplificou o sindicato.

Na prática, avalia a entidade, a proposta só aumenta a ‘absurda carga tributária dos medicamentos, que já é de 32% no preço final ao consumidor, sendo que a média mundial é 6%’.

Fonte: A Gazeta do Amapá

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação