Fique por dentro dos principais FATOS e TENDÊNCIAS que movimentam o setor

Indústria farmacêutica chinesa cresce 126 vezes em cinco anos

Acompanhe as principais notícias do dia no nosso canal do Whatsapp

Indústria farmacêutica chinesa cresce 126 vezes em cinco anos

Um estudo da McKinsey endossa a transformação de patamar da indústria farmacêutica chinesa nos últimos cinco anos. Segundo a análise, o faturamento das companhias do setor que estão no mercado de ações pulou de US$ 3 bilhões para mais de US$ 380 bilhões.

Até pouco tempos atrás focadas nos genéricos, as empresas locais ganharam fôlego ao investir em medicamentos de especialidades, áreas terapêuticas mais rentáveis como a oncologia e doenças metabólicas. No ano passado, uma licitação do governo da China abriu ainda mais portas para essas companhias ao exigir uma redução de 48% nos custos de aquisição de 42 produtos à base de insulina, o que afastou da concorrência gigantes como Eli Lilly, Novo Nordisk e Sanofi.

Política de IFAs pavimentou indústria farmacêutica chinesa

Outra explicação para esse salto está atrelada ao foco na produção de insumos, processo que teve início nos anos 1990 e pavimentou o primeiro ciclo de desenvolvimento da indústria farmacêutica chinesa. “A globalização acelerou a abertura comercial nos países em desenvolvimento. Mas não houve uma programação para todos os setores no Brasil, inclusive para o de IFAs. A vinda de insumos do Exterior quebrou o mercado nacional porque chegaram produtos mais baratos de empresas com portfólios mais robustos”, comenta Norberto Prestes, presidente executivo da Abiquifi.

No mesmo período, a China criou um programa ambicioso para atrair fabricantes de IFAs, com incentivos fiscais, mão de obra, tecnologia embarcada e um ambiente regulatório mais flexível. “Isso fez com que as grandes empresas que estavam aqui fossem para a China ou voltassem para a sua sede. E aí perdemos o timing. De 55% de produção própria, caímos para 5%”, pontua o dirigente.

Mas quais são os laboratórios que vêm ajudando a transformar o país em um gigante global do setor?

BeiGene
Fundação: 2010
Especialidade: oncologia
Fato relevante: em 2020, a Amgen adquiriu 20,5% de participação acionária por US$ 2,7 bilhões

Chi-Med
Fundação: 2000
Especialidade: oncologia
Fato relevante: projeta um IPO de US$ 500 milhões na Bolsa de Hong Kong, valor que viabilizaria o projeto de internacionalização

CStone Pharmaceuticals
Fundação: 2015
Especialidade: oncologia
Fato relevante: firmou um acordo de US$ 200 milhões com a Pfizer para a comercialização exclusiva do sugemalimab no mercado chinês

Harbour Biomed
Fundação: 2016
Especialidades: imunologia e oncologia
Fato relevante: fechou recentes acordos de cooperação técnica com AbbVie e Vir Biotechnology

Hua Medicine
Fundação: 2011
Especialidades: diabetes, oncologia e sistema nervoso central
Fato relevante: na fase 3 dos testes do medicamento dorzagliatin, 45% dos pacientes atingiram a meta de tratamento estipulada pela American Diabetes Association

Innovent Biologics
Fundação: 2011
Especialidade: oncologia
Fato relevante: parceria com a Eli Lilly na produção do Tyvyt, voltado ao tratamento de pacientes com linfoma de Hodgkin

Jiangsu Hansoh Pharmaceutical Group
Fundação: 1995
Especialidades: cardiologia, diabetes, infectologia e oncologia
Fato relevante: com US$ 1 bilhão, permanece no topo com o maior IPO do canal farma chinês

Legend Biotech
Fundação: 2014
Especialidade: oncologia
Fato relevante: recebeu um aporte de US$ 350 milhões da Johnson & Johnson para repassar os direitos de comercialização do LCAR-B38M, hoje conhecido como JNJ-4528

RemeGen
Fundação: 2008
Especialidade: oncologia
Fato relevante: arrecadou US$ 514 milhões em um IPO concluído em novembro de 2020

Fonte: Redação Panorama Farmacêutico

Notícias Relacionadas

plugins premium WordPress