O maior canal de informação do setor

Moderna lucra US$ 2,78 bilhões no 2º trimestre com vacina contra a Covid-19

254

A farmacêutica Moderna registrou lucro líquido de US$ 2,78 bilhões no segundo trimestre de 2021, revertendo prejuízo visto um ano antes, e receitas de US$ 4,35 bilhões, ante US$ 67 milhões no mesmo período de 2020, sustentadas pelo seu único produto disponível no mercado atualmente: a vacina contra Covid-19.

A companhia fala que vendeu 199 milhões de doses do imunizante entre abril e junho, somando 302 milhões de doses nos seis primeiros meses de 2021. A Moderna acredita que vai entregar entre 800 milhões a 1 bilhão de doses até o fim do ano e entre 2 a 3 bilhões de doses em 2022.

Em termos de contratos, a farmacêutica já tem US$ 20 bilhões assinados em vendas em 2021, US$ 12 bilhões em 2022 (com opção de compra de mais US$ 8 bilhões) e fala que já está em negociação para contratos de entrega para 2023, antecipando a fase endêmica da Covid-19.

‘Estamos satisfeitos que nossa vacina contra Covid-19 está demonstrando uma eficácia de 93% após seis meses, mas reconhecemos que a variante Delta é uma ameaça que precisamos ficar atentos’, diz Stéphane Bancel, diretor-presidente da Moderna. Ele destaca que testes clínicos já mostraram que uma terceira dose reforça a eficácia contra a variante.

A pequena empresa de biotecnologia sediada em Massachusetts fez parceria com cientistas do Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos para desenvolver a vacina. Os trabalhos começaram em janeiro de 2020, logo após a China compartilhar o genoma do vírus SARS-CoV-2.

A FDA – agência reguladora dos Estados Unidos equivalente à Anvisa – aprovou em dezembro de 2020 o uso emergencial da vacina contra a Covid-19 fabricada pela Moderna.

A Moderna fala que pretende usar a receita da vacina contra covid-19 em pesquisa e desenvolvimento de novos imunizantes utilizando a tecnologia de RNA mensageiro (mRNA). A empresa realiza testes clínicos em cinco áreas: doenças infecciosas, cardiovasculares, oncologia, raras e autoimunes.

Fonte: G1

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação