Fique por dentro dos principais FATOS e TENDÊNCIAS que movimentam o setor

Confira os 10 remédios genéricos líderes de venda

Acompanhe as principais notícias do dia no nosso canal do Whatsapp

Confira os 10 remédios genéricos líderes de venda

Os 10 remédios genéricos líderes nas farmácias brasileiras foram determinantes para a categoria crescer quase 8% em volume de unidades comercializadas. E uma análise baseada em indicadores das principais consultorias do setor listou os campeões de venda em 2022.

Com R$ 130,8 milhões em vendas no período, crescimento de 42% em relação a 2021, o anti-inflamatório, analgésico e antitérmico cetoprofeno, da Medley, ocupa a primeira colocação. Curiosamente, o remédio foi apenas um entre as centenas de medicamentos em falta nos hospitais e farmácias do país ao longo deste ano.

Remédios genéricos no centro das atenções

A lista dos remédios genéricos mais vendidos tem, no segundo lugar, a losartana, da Neo Química – com R$ 110,6 milhões em vendas. Apesar da posição, o medicamento registrou queda de 21,9% em relação ao período anterior.

No primeiro semestre do ano passado, o anti-hipertensivo ganhou os holofotes quando a farmacêutica Medley anunciou o recall voluntário de todos os lotes de losartana potássica por suspeita de contaminação por nitrosamina, substância com potencial cancerígeno.

No fim de junho de 2022, a Anvisa determinou o recolhimento de lotes do medicamento de diversas fabricantes devido a suspeitas sobre a presença da impureza “azido” em concentração acima do limite de segurança aceitável. Mas já em julho, a agência liberou a comercialização.

Fim da patente

A terceira e quarta colocações são ocupadas, respectivamente, pelo analgésico naratriptina (R$ 108 milhões), da Nova Química; e pelo levotiroxina (R$ 102,3 milhões), remédio hormonal da Merck para tratamento do hipotireoidismo. O top 5 incluiu ainda o anticoagulante rivaroxabana, da EMS, que apresentou R$ 94,7 milhões em vendas e o maior percentual de crescimento – 125,1%.

A EMS lançou o genérico do medicamento de referência Xarelto, desenvolvido pela Bayer, em maio de 2021. Isso ocorreu logo após o Supremo Tribunal Federal (STF) extinguir o parágrafo único do artigo 40 da Lei de Propriedade Industrial, que permitia prazo indeterminado para patentes de medicamentos. O anticoagulante é usado no tratamento de complicações decorrentes da Covid-19, como trombose, AVC ou embolia.

A metformina (R$ 90,9 milhões), para tratamento do diabetes da Prati-Donaduzzi, ocupa a sexta colocação, seguida do medicamento para problemas gástricos pantoprazol, da Medley, com R$ 88,9 milhões em vendas.

Kit Covid

Na oitava colocação figurou o antiparasitário ivermectina, da Vitamedic, com R$ 82,9 milhões em vendas. O medicamento teve retração de 84,3%. Uma das integrantes do chamado kit Covid, a ivermectina chegou a registrar 75,8 milhões de unidades vendidas em 2020, no auge da pandemia.

Na nona e décima colocação vêm a amoxicilina + clavulanato de potássio, da Sandoz (R$ 80,3 milhões em vendas) e da EMS (R$ 77,9 milhões)  respectivamente.

Instrumento de acesso

No total, 96 laboratórios comercializam medicamentos genéricos no território nacional, com preços pelo menos 35% menores que as versões de referência e com indicação para cerca de 90% das doenças prevalentes no país. Ainda de acordo com a PróGenéricos, entre janeiro e dezembro de 2022, mais de 1,8 bilhão de caixas de genéricos foram comercializadas no Brasil.

Considerando o acumulado desde que os genéricos passaram a ser comercializados, em 1999, eles já geraram uma economia para os consumidores de R$ 241 bilhões, levando em conta quanto eles deixaram de gastar caso tivessem somente o medicamento de referência à disposição.

Notícias mais lidas

Notícias Relacionadas

plugins premium WordPress