Fique por dentro dos principais FATOS e TENDÊNCIAS que movimentam o setor

Indústria apoia governo em plano para produção nacional de medicamentos

Acompanhe as principais notícias do dia no nosso canal do Whatsapp

Indústria apoia governo em plano para produção nacional de medicamentos

A produção nacional de medicamentos entrou no radar do governo federal e ganha o apoio da indústria. Na última semana, o Ministério da Saúde reuniu representantes do setor para anunciar que terá um plano com foco no estímulo às farmacêuticas brasileiras.

A estratégia já teria saído do mundo das ideias. Isso porque a ministra da Saúde Nísia Trindade delegou o secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde, Carlos Gadelha, para começar as interlocuções com a iniciativa privada. Ela também solicitou acesso a dados sobre investimentos atuais do segmento em produção de medicamentos.

O plano para incentivar a produção nacional de medicamentos estaria atrelado à revitalização do Farmácia Popular. O programa chegou a representar, em 2015, mais de 3% da verba destinada à pasta da Saúde. Hoje o percentual caiu para 1,6%, mas o orçamento refeito pelo gabinete de transição do novo governo e aprovado pelo Congresso Nacional prevê recursos adicionais de R$ 2,1 bilhões.

Produção nacional de medicamentos: resposta emergencial

A proposta de ampliar a produção nacional de medicamentos também seria uma reação do poder público ao desabastecimento, cenário escancarado nos últimos dois anos. Segundo o último indicador do Conselho Federal de Farmácia (CFF), tabulado até setembro do ano passado e baseado em entrevistas com 683 estabelecimentos, 98% dos PDVs conviviam com a falta de remédios, em especial antimicrobianos – categoria que inclui antivirais – e mucolíticos (expectorantes).

Quando questionados sobre as motivações para a falta de medicamentos, 86,6% dos entrevistados apontaram a escassez no mercado. A alta demanda inesperada recebeu menções de 43,1%. “A indústria não conseguiu colocar em dia a produção dos fármacos e, por isso, mantém o déficit de importação de algumas matérias-primas essenciais para a fabricação dos medicamentos”, explica Gustavo Pires, diretor-secretário do CFF.

Norberto Prestes (Abiquifi): nacionalização de medicamentos é prioridade
Norberto Prestes (Abiquifi): nacionalização de medicamentos é prioridade

O problema expõe um gargalo na nacionalização de insumos farmacêuticos ativos (IFAs), que têm 95% da produção importada de mercados como China e Índia. “O Brasil precisava fazer um movimento similar ao dos Estados Unidos, que decidiu iniciar a fabricação local de 180 moléculas consideradas estratégicas para manter a soberania de produção”, destaca Norberto Prestes, CEO da Abiquifi.

Desde 2020 a associação espera o posicionamento dos ministérios de Ciência e Tecnologia e da Saúde para um plano com esse objetivo, a partir do levantamento de 50 moléculas prioritárias. A estimativa é de um custo anual de R$ 2 bilhões a R$ 4 bilhões.

Entidades querem apoio à pesquisa e reforma fiscal

Reginaldo Arcuri 1

Reginaldo Arcuri, presidente do Grupo FarmaBrasil, elogia o que chama de início de um diálogo para estabelecer mecanismos de trabalho permanentes. “É uma resposta a um caminho que já vem sendo trilhado pelas farmacêuticas nacionais”, reforça. O executivo lembra que, desde 2013, as indústrias brasileiras do segmento investiram R$ 11 bilhões em plantas dedicadas a pesquisa & desenvolvimento. “Elas são a origem de 76% dos gastos com inovação. Há 15 anos esse percentual era de apenas 52%”, acrescenta.

Nelson Mussolini

Presidente executivo do Sindusfarma, Nelson Mussolini vai além e cobra do governo um programa de reforma fiscal para incentivar a indústria farmacêutica. “Não pleiteamos isenção. Queremos que o poder público desonere a produção. Estamos diante de um país que importa 95% de IFAs, mas responde apenas por 3% do consumo global”, afirma. Ele defende ainda a prospecção de parcerias estratégicas com o Exterior, focando em mercados maduros como Canadá e Estados Unidos.

Produção nacional de medicamentos pode ter apoio do BNDES?

Outras fontes ouvidas pela redação do Panorama Farmacêutico acreditam que o BNDES pode, mais uma vez, garantir recursos generosos para incentivar a produção nacional de medicamentos. Segundo estudo realizado pelo portal, os governos Lula e Dilma Rousseff responderam por 84% dos financiamentos à indústria farmacêutica nacional entre 1995 e 2020, período que totalizou 484 aprovações de empréstimos pelo valor de R$ 4,1 bilhões.

Parte da explicação para esse volume está na gestão de Fernando Henrique Cardoso (1995-2002), que plantou terreno para expansão do setor com a implementação dos genéricos, a criação da Anvisa e Lei da Propriedade Industrial.

As medidas exigiram das farmacêuticas uma completa revitalização fabril, para se enquadrar aos padrões e bioequivalência e bioimpedância requeridos pelos genéricos e ter mínima estrutura para competir com as multinacionais. Esse processo ganhou status de política de Estado no governo Lula, sendo o próprio Farmácia Popular um dos canais para fomentar o setor.

Fonte: Redação Panorama Farmacêutico

Notícias Relacionadas

plugins premium WordPress