Fique por dentro dos principais FATOS e TENDÊNCIAS que movimentam o setor

CEO nega boato sobre venda do Grupo Tapajós

Acompanhe as principais notícias do dia no nosso canal do Whatsapp

CEO nega boato sobre venda do Grupo Tapajós
Divulgação Grupo Tapajós

Uma notícia envolvendo a venda do Grupo Tapajós pegou o varejo farmacêutico de surpresa nesta sexta-feira, dia 31. Mas rapidamente a companhia reagiu e desmentiu a especulação.

O CEO Wili Garcêz declarou oficialmente que não há nenhuma tratativa sobre o assunto. “A notícia é inverídica. Fazemos questão de prestar tais esclarecimentos, inclusive em respeito aos nossos colaboradores, clientes e fornecedores”, ressaltou.

A informação do portal amazonense CM7 dava conta de que a divisão de varejo do grupo – que reúne 125 lojas das bandeiras Santo Remédio, Flexfarma e FarmaBem – estaria no alvo do bilionário empresário Edison Rufino. Ele é dono da Baratão da Carne, rede de supermercados que iniciou operações em 1993 e hoje conta com oito unidades em Manaus, cujo faturamento anual soma R$ 1,1 bilhão.

A oferta pelas farmácias do Grupo Tapajós seria de R$ 1,4 bilhão, valor que teria agradado Wili e o pai Pedro Garcêz, fundador da companhia. Ainda segundo a publicação, a família cogitaria aceitar o montante para investir em outro negócio.

Boato sobre venda do Grupo Tapajós: contramão do atual momento

A especulação sobre a venda do Grupo Tapajós, inclusive, chega na contramão do momento atual da companhia. O Grupo Tapajós iniciou operações em 1995 e, além das 125 farmácias, mantém seis centros de distribuição em quatro capitais do Norte do país – Boa Vista (RR), Belém (PA), Manaus (AM) e Porto Velho (RO).

Em 2020, alcançou faturamento bilionário e ingressou na seleta lista de 140 maiores varejistas nacionais, de acordo com a Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC).

Com receita de R$ 1,2 bilhão, o grupo ocupa a 14ª posição no ranking do grande varejo farmacêutico veiculado anualmente pela Abrafarma, tanto em faturamento como em número de PDVs. O varejo responde por 60% dos negócios. Os demais 40% são oriundos da divisão de atacado farmacêutico.

Suposto comprador: empresário excêntrico e polêmico

O empresário Edison Rufino é personagem frequente no colunismo social amazonense e também se envolveu em polêmicas recentes. No fim do ano passado, em comemoração aos seus 50 anos, organizou uma mega festa com direito a show de Wesley Safadão. O luxuoso evento teria custado a bagatela de R$ 6 milhões.

Em janeiro deste ano, um vídeo que circulou pelos grupos de organizadores de manifestações da extrema direita mostra a doação da Baratão da Carne para atos anti-democráticos em frente ao Comando Militar da Amazônia.

Notícias Relacionadas

plugins premium WordPress
error: O conteúdo está protegido !!