Fique por dentro dos principais FATOS e TENDÊNCIAS que movimentam o setor

Fórum no Brasil debate advento dos biossimilares

Acompanhe as principais notícias do dia no nosso canal do Whatsapp

Fórum no Brasil debate advento dos biossimilares

Os medicamentos biossimilares entraram de vez na agenda de prioridades da indústria farmacêutica. Com faturamento recorde no Brasil e a promessa de uma nova regulamentação por parte da Anvisa, o segmento será o centro dos debates de um fórum latino-americano.

O Biossimilars Latam – Brazil 2023 acontecerá em São Paulo (SP) nos dias 16 e 17 de agosto. A expectativa é reunir 150 executivos e dirigentes, representando em torno de 100 laboratórios, empresas de biotecnologia e órgãos reguladores do continente. O Panorama Farmacêutico é a mídia oficial do evento.

O rol de palestrantes estará concentrado nos três principais mercados da região – Brasil, México e Argentina, com destaque particular para o nosso país. A abertura terá dois diretores da Anvisa. São eles Meiruze Freitas, diretora especialista em regulação na agência; e Fabrício Carneiro de Oliveira, gerente geral de medicamentos biológicos.

Executivos de três farmacêuticas que protagonizam o advento dos medicamentos biossimilares no país também estão entre os conferencistas. Fábio Antonelli, diretor de alianças estratégicas da Sandoz; Fernando da Costa Ribeiro, gerente de terceirização Latam da Eurofarma; e Thiago Mares Guia, vice-presidente executivo da Bionovis apresentarão os mais recentes movimentos de uma indústria que registrou R$ 702 milhões de receita em território nacional.

A agenda ainda contará com Fernando César Barbosa, CEO e fundador da Biotimize. Essa empresa de biotecnologia iniciou, em setembro do ano passado, uma rodada de captação de recursos para construir o primeiro complexo produtivo focado em medicamentos biológicos e biossimilares no Brasil.

Biossimilares tiveram crescimento de quase 10% no Brasil

Os biossimilares registraram no ano passado, em faturamento, avanço de 9,24% no país na comparação com 2021. E a projeção é que as versões genéricas sejam as principais alavancas para consolidar a categoria. A PróGenéricos já estima uma evolução superior a 10%.

Por apresentarem custos mais baixos em relação aos biológicos de referência – até 40% mais baratos –, os biossimilares têm conquistado um grande espaço e são apontados como uma das soluções para a economia e sustentabilidade dos sistemas de saúde, em especial os públicos, que são grandes consumidores dos segmentos biológicos.

Em 2022, a Eurofarma dobrou a aposta nesse nicho ao investir em parceria com a chinesa Shangai Henlius Biotech. O objetivo é viabilizar a produção e comercialização de três biossimilares voltados a tratamentos oncológicos em toda a América Latina.

Já a Sandoz criou um plano de ação para ampliar, em pelo menos 30 pontos percentuais, a demanda por essa classe de medicamentos em mais de 30 países até 2030.

Biossimilares podem ter mudanças regulatórias

Os medicamentos biossimilares podem ganhar uma nova regulamentação em 2023. E quem encampa essa ideia é um grupo de especialistas em biofármacos e vacinas, representando instituições como a Fiocruz e a Organização Mundial da Saúde.

Os biossimilares no Brasil estão fundamentados por uma norma de 2010, que especialistas já consideram defasada. Desde o ano passado a Anvisa vem recebendo subsídios para a revisão do marco legal e regulatório que envolve essa classe de medicamentos.

Dos 32 remédios do gênero já registrados pela agência, 21 receberam aprovação entre 2018 e 2019. Além disso, outros cinco já estão na fila. A autarquia, inclusive, instituiu a RDC 205 para criar uma lista de prioridade na análise desses medicamentos – especialmente os que atuam no combate a doenças raras. Mas quando o assunto é a incorporação dos biossimilares, a frequência é outra.

Atualmente, o SUS disponibiliza apenas cinco biossimilares, voltados para tratamentos oncológicos e doenças reumáticas. E somente dois são produzidos inteiramente no Brasil – o ritumixabe, da Sandoz, para casos de artrite reumatoide e linfoma não-Hodgkin; e a somatropina, do Laboratório Cristália, usado no combate ao hipopotuitarismo, uma espécie de deficiência do hormônio do crescimento.

BIOSSIMILARS LATAM 2023

Quando: 16 de agosto (quarta-feira), das 9 às 18h
17 de agosto (quinta-feira), das 9 às 15h

Onde: Radisson Hotel Paulista São Paulo (Alameda Santos, 85, Jardins)
Inscrições: https://jackleckerman.com/events/register-biosimilars-latam-brazil-2023/

Notícias Relacionadas

plugins premium WordPress