Fique por dentro dos principais FATOS e TENDÊNCIAS que movimentam o setor

Mercado de remédios de alto custo prevê dobrar de tamanho

Acompanhe as principais notícias do dia no nosso canal do Whatsapp

Mercado de remédios de alto custo prevê dobrar de tamanho em dois anos

Em dois anos, o setor de remédios de alto custo prevê dobrar de tamanho no Brasil, com o volume de gastos saltando de US$ 20 bilhões para US$ 38,4 bilhões. O valor galgaria o país à sexta posição global, à frente de mercados mais maduros, como Canadá, Espanha, Índia, Itália, México e Reino Unido. E sete tendências prometem puxar o crescimento dessa categoria.

  1. Brasil no radar das multinacionais

O país atraiu em 2022 numerosos investimentos de farmacêuticas multinacionais, atentos ao progresso do envelhecimento populacional. Dados do IBGE apontam 32,9 milhões de brasileiros com mais de 60 anos, número equivalente a 15% da população. Há uma década esse índice era de 11%. A japonesa Daiichi Sankyo ingressou na divisão de oncologia, enquanto a biofarmacêutica suíça incrementou os aportes em seu laboratório de inovação na capital paulista. Já a Bristol-Myers Squibb criou uma gerência estratégica de contas para reforçar elos com pagadores institucionais e governos.

Os 15 países que mais gastam com remédios de alto custo

Gasto com remédios de alto custo supera US$ 20 bilhões no país

  1. Genéricos biossimilares

Na carona do aumento na venda de genéricos, a comercialização de biossimilares teve incremento de 21,55%, chegando 1,39 milhão de unidades vendidas entre novembro de 2021 e outubro de 2022. Esses medicamentos são utilizados para tratamento de mais de 50 patologias, envolvendo entre elas doenças autoimunes, diferentes tipos de câncer, doenças inflamatórias crônicas e raras, e já representam 8,25% do mercado total de medicamentos biológicos.

  1. Maior peso da iniciativa privada nos investimentos

A demanda de pacientes por acesso a tratamentos está maior do que a capacidade do mercado em absorver esse contingente, enquanto as despesas com saúde já representam 9,6% do PIB. Os pagadores privados, responsáveis por 55% desse montante segundo a Close-Up International, precisam assumir mais protagonismo. A julgar pelos últimos cinco anos, o Brasil vem assimilando essa lição, com aportes superiores a US$ 350 milhões em pesquisa de novos medicamentos.

  1. Distribuidoras com novo papel na cadeia de remédios de alto custo

A cadeia de remédios de alto custo tem a indústria farmacêutica cada vez mais dedicada à pesquisa e produção. Mas quem responderá por estimular a adesão aos tratamentos? “Ninguém acompanha toda a jornada desses medicamentos tão bem como as distribuidoras. Elas podem auxiliar os laboratórios no estabelecimento de elos diretos com os pacientes, no ambiente intra-hospitalar e também em iniciativas como o delivery e notificações sobre uso e horários de ingestão dos fármacos”, contextualiza Paulo Paiva, vice-presidente da Close-Up International.

  1. Tecnologias simples em favor da personalização

A tecnologia pode fazer a diferença no incentivo à adesão aos tratamentos. A Roche, por exemplo, investiu R$ 9 milhões em ferramentas de medicina personalizada. “Inovações como 5G, relógios inteligentes e a própria telessaúde podem reverter barreiras de acesso entre doentes crônicos. E o próprio varejo farmacêutico pode assumir uma função de micro-hub de suporte aos pacientes, integrando fabricantes, médicos e operadoras”, projeta Chao Wen, presidente da Associação Brasileira de Telemedicina e chefe dessa disciplina na Universidade de São Paulo.

  1. Nacionalização de medicamentos

“A crise na cadeia produtiva global escancarou a dependência brasileira de insumos e o hiato do Brasil em pesquisa e desenvolvimento, mesmo na inovação incremental”. O alerta é de Rita Ragazzi, sócia-diretora líder de Saúde e Ciências da Vida na KPMG, para quem a nacionalização de medicamentos é um caminho que precisa ser pavimentado.

  1. Cannabis em favor dos tratamentos de alta complexidade

A Anvisa já aprovou 25 produtos à base de cannabis no Brasil, mercado que atrai novos players e também fabricantes tradicionais, com potencial estimado em R$ 300 milhões. Esse movimento tende a acelerar regulamentações como a prevista no Projeto de Lei 309/2015 e abrir caminho para o aumento do total de prescritores. “Apesar de avanços na literatura científica a respeito do tema, menos de 1% dos profissionais com CRM ativo receitou essa alternativa de tratamento. Por outro lado, cerca de 45% de brasileiros convivem com doenças crônicas cujos sintomas associados poderiam ser aliviados por produtos canabinoides”, pondera Viviane Sedola, CEO e fundadora da Dr. Cannabis.

Notícias Relacionadas

plugins premium WordPress
error: O conteúdo está protegido !!